Novas receitas

Temos um Vencedor para o Livro de Receitas de Ação de Graças e Férias do Conselho de Culinária da Macy's!

Temos um Vencedor para o Livro de Receitas de Ação de Graças e Férias do Conselho de Culinária da Macy's!

Compartilhe sua tradição de desfile favorita para ter a chance de ganhar este novo livro assinado por Emeril Lagasse

ATUALIZADA: Temos um winnder para o Macy's Culinary Council Thanksgiving & Holiday Cookbook! Parabéns a mtncook825 cuja tradição favorita do Dia de Ação de Graças de assistir ao desfile na TV é sempre divertida com muffins caseiros, scones e café no sofá acaba de ganhar uma cópia do livro de receitas assinado por Emeril Lagasse. Obrigado a todos que participaram!

Para comemorar o 85º aniversário do desfile, estamos começando as festividades mais cedo, em parceria com o Conselho de Culinária Macy's e seus novos Livro de receitas de Natal e Ação de Graças. Repleto de receitas de dar água na boca e conselhos úteis de chefs como Cat Cora, Wolfgang Puck e Marcus Samuelsson, o livro é o que você precisa ter em mãos ao planejar festas de fim de ano.

E estamos distribuindo uma cópia, assinada por Emeril Lagasse, antes de ir para a venda!

Para entrar, basta fazer o login e deixar um comentário compartilhando sua tradição de Ação de Graças favorita!

O concurso termina em 12 de outubro, portanto, volte no dia 13 para saber quando anunciaremos o vencedor aqui, no Facebook e Twitter. Boa sorte!

Clique aqui para ver como Iron Chef Cat Cora e Emeril Lagasse celebram a manhã de Ação de Graças!


Talkin & # 8217 Turquia com Marc Forgione

Ontem foi um dia de outono ridiculamente pitoresco em Nova York, o tipo de dia em que você sente que algo maravilhoso está para acontecer. Para Marc Forgione, ele fez. O governante Iron Chef, de 32 anos, recebeu ontem a notícia de que, pelo terceiro ano consecutivo, o seu restaurante homônimo em Tribeca recebeu a cobiçada estrela Michelin, colocando-o entre os restaurantes de elite da cidade.

Quando atravessei as portas para encontrar Forgione, ele estava se dirigindo a sua equipe em uma das grandes mesas na sala de jantar principal do espaço semelhante a uma casa de fazenda. Sentei-me no bar, com vista (e cheiro) de bandejas cheias de pãezinhos recém-assados. Alguns funcionários desgarrados zumbiam ao redor, preparando-se para o serviço de jantar, e o famoso chef moicano falou sobre o menu da noite & # 8217s antes de refletir sobre a importância de obter o título Michelin três anos consecutivos. Seguiu-se uma salva de palmas e tudo voltou ao trabalho.

Poucos minutos depois, Forgione, vestido com seu casaco preto de chef, me cumprimentou. Estávamos lá para conversar sobre peru. Especificamente, sua contribuição para o novo livro de receitas do Macy & # 8217s Culinary Council & # 8217s, lançado esta semana, incluindo uma receita deliciosa de roulade de perna de peru. (Para obter mais informações sobre o The Macy's Culinary Council Thanksgiving e o Holiday Cookbook, visite o Woman’s Day). Mas eu não pude resistir a perguntar sobre tudo o que aconteceu com Forgione nos últimos anos - a surpreendente vitória do Iron Chef, as estrelas do Michelin, sua ascensão nas classificações culinárias perto de seu pai Larry Forgione, considerado o padrinho da culinária nova americana e uma grande influência na preparação orientada para as estações.

& # 8220Eu não sei se você conhece a história deste lugar, & # 8221 Forgione me diz, me olhando bem nos olhos. & # 8220Mas estávamos a dias de encerrarmos. A economia estava ruim. Eu estava começando a pensar que talvez eu tivesse tomado uma decisão errada - que o que eu estava cozinhando era certo para mim talvez, mas não era certo para os clientes. & # 8221

Ele perseverou, entretanto, ganhando estrelas do Michelin e do New York Times (duas no último caso), e então, é claro, alcançando a fama nacional em 2010 como O Próximo Chef de Ferro. Desde então, ele se tornou reconhecível o suficiente para ser parado nas ruas - recentemente ele foi avistado por fãs enquanto viajava por Wisconsin, ele diz & # 8220É & # 8217s demorou um pouco para se acostumar & # 8221 E o restaurante Marc Forgione, que foi quase um dos inúmeros restaurantes falidos na cena gastronômica de NYC & # 8217 em um determinado ano, passou de um destino de bairro que servia comida baseada em ingredientes frescos para um destino de jantar, um local que se tornou uma visita obrigatória em qualquer viajante gastronômico e itinerário # 8217s.

Embora a fama e os elogios levem alguns chefs a se expandir rapidamente e a passar menos tempo na cozinha, Forgione diz que se diverte desafiando as tendências. Embora seja grato pelo status que o Iron Chef e outras aparições na TV lhe proporcionam, ele condena o fato de que o chefdom das celebridades é algo a que os jovens cozinheiros agora aspiram. & # 8220Eu garanto a você - & # 8221 ele diz, crescendo de intenso para quase assustador, & # 8220 ninguém que é um chef famoso hoje começou sua carreira dizendo que queria ser um chef famoso. Trabalhei no fogão durante anos. Morimoto trabalhou por trás do fogão quente por anos. & # 8221

Iluminando um pouco, ele observa, & # 8220Os clientes entram no restaurante e ficam chocados ao me ver cozinhando na cozinha. Eu gosto assim. & # 8221

Além da devoção à cozinha e ao restaurante, Forgione adora se envolver com a comunidade. Para o livro de receitas Macy & # 8217s, ele se junta a Emeril Lagasse, Cat Cora, Marcus Samuelsson, Rick Bayless e outros no fornecimento de giros inteligentes em clássicos do Dia de Ação de Graças. Ele desenvolveu sua receita de rocambole de perna de peru porque, quando criança, odiava ter que brigar pela carne escura e suculenta de uma das duas pernas de peru.

E ele está intensificando seu trabalho de caridade também, liderando um evento em 15 de novembro no Restaurant Marc Forgione para beneficiar a Feeding America, a principal organização de combate à fome nos EUA. O benefício mínimo de US $ 1.000 por cabeça, & # 8220Coast To Coast Wine e Dine, & # 8221 apresenta cinco chefs com estrelas Michelin de Nova York (ele e seus amigos Missy Robbins de A Voce, Justin Bogle de Gilt, Brad Farmerie de Public e John Fraser de Dovetail) cozinhando pratos para combinar com cinco dos mais bem- enólogos conhecidos de Napa. É uma combinação promissora de chefs da Costa Leste e vinhos da Costa Oeste, mas o objetivo principal é ajudar a alimentar os famintos.

Fazer um evento de caridade é algo natural, diz Forgione. & # 8220Estou sempre dando. Eu cozinho para as pessoas. & # 8221 Amém.


Talkin & # 8217 Turquia com Marc Forgione

Ontem foi um dia de outono ridiculamente pitoresco em Nova York, o tipo de dia em que você sente que algo maravilhoso está para acontecer. Para Marc Forgione, ele fez. O governante Iron Chef, de 32 anos, recebeu ontem a notícia de que, pelo terceiro ano consecutivo, o seu restaurante homônimo em Tribeca recebeu a cobiçada estrela Michelin, colocando-o entre os restaurantes de elite da cidade.

Quando atravessei as portas para encontrar Forgione, ele estava se dirigindo a sua equipe em uma das grandes mesas na sala de jantar principal do espaço semelhante a uma casa de fazenda. Sentei-me no bar, com vista (e cheiro) de bandejas cheias de pãezinhos recém-assados. Alguns funcionários perdidos zumbiam ao redor, preparando-se para o serviço de jantar, e o famoso chef moicano falou sobre o menu da noite & # 8217s antes de refletir sobre a importância de obter a menção do Michelin por três anos consecutivos. Seguiu-se uma salva de palmas e tudo voltou ao trabalho.

Poucos minutos depois, Forgione, vestido com seu casaco preto de chef, me cumprimentou. Estávamos lá para conversar sobre peru. Especificamente, sua contribuição para o novo livro de receitas do Macy & # 8217s Culinary Council & # 8217s, lançado esta semana, incluindo uma receita deliciosa de roulade de perna de peru. (Para obter mais informações sobre o The Macy's Culinary Council Thanksgiving e o Holiday Cookbook, visite o Woman’s Day). Mas eu não pude resistir a perguntar sobre tudo o que aconteceu com Forgione nos últimos anos - a surpreendente vitória do Iron Chef, as estrelas do Michelin, sua ascensão nas classificações culinárias perto de seu pai Larry Forgione, considerado o padrinho da culinária nova americana e uma grande influência na preparação orientada para as estações.

& # 8220Eu não sei se você conhece a história deste lugar, & # 8221 Forgione me diz, me olhando bem nos olhos. & # 8220Mas estávamos a dias de encerrar. A economia estava ruim. Eu estava começando a pensar que talvez eu tivesse tomado uma decisão errada - que o que eu estava cozinhando era certo para mim talvez, mas não era certo para os clientes. & # 8221

Ele perseverou, entretanto, ganhando estrelas do Michelin e do New York Times (duas no último caso), e então, é claro, alcançando a fama nacional em 2010 como O Próximo Chef de Ferro. Desde então, ele se tornou reconhecível o suficiente para ser parado nas ruas - recentemente ele foi avistado por fãs enquanto viajava por Wisconsin, ele diz & # 8220É & # 8217s demorou um pouco para se acostumar & # 8221 E o restaurante Marc Forgione, que foi quase um dos inúmeros restaurantes falidos na cena gastronômica de NYC & # 8217 em um determinado ano, passou de um destino de bairro que servia comida baseada em ingredientes frescos para um destino de jantar, um local que se tornou uma visita obrigatória em qualquer viajante gastronômico e itinerário # 8217s.

Embora a fama e os elogios levem alguns chefs a se expandir rapidamente e a passar menos tempo na cozinha, Forgione diz que se diverte desafiando as tendências. Embora seja grato pelo status que o Iron Chef e outras aparições na TV lhe proporcionam, ele condena o fato de que o chefdom das celebridades é algo a que os jovens cozinheiros agora aspiram. & # 8220Eu garanto a você - & # 8221 diz ele, crescendo de intenso para quase assustador, & # 8220 ninguém que é um chef famoso hoje começou sua carreira dizendo que queria ser um chef famoso. Trabalhei no fogão durante anos. Morimoto trabalhou por trás do fogão quente por anos. & # 8221

Iluminando um pouco, ele observa, & # 8220Os clientes entram no restaurante e ficam chocados ao me ver cozinhando na cozinha. Eu gosto assim. & # 8221

Além da devoção à cozinha e ao restaurante, Forgione adora se envolver com a comunidade. Para o livro de receitas Macy & # 8217s, ele se junta a Emeril Lagasse, Cat Cora, Marcus Samuelsson, Rick Bayless e outros no fornecimento de giros inteligentes em clássicos do Dia de Ação de Graças. Ele desenvolveu sua receita de rocambole de perna de peru porque, quando criança, odiava ter que lutar pela carne escura e suculenta de uma das duas pernas de peru.

E ele está intensificando seu trabalho de caridade também, liderando um evento em 15 de novembro no Restaurant Marc Forgione para beneficiar a Feeding America, a principal organização de combate à fome nos EUA. O benefício mínimo de US $ 1.000 por cabeça, & # 8220Coast To Coast Wine and Dine, & # 8221 apresenta cinco chefs com estrelas Michelin de Nova York (ele e seus amigos Missy Robbins de A Voce, Justin Bogle de Gilt, Brad Farmerie de Public e John Fraser de Dovetail) cozinhando pratos para combinar com cinco dos mais bem- enólogos conhecidos de Napa. É uma combinação promissora de chefs da Costa Leste e vinhos da Costa Oeste, mas o objetivo principal é ajudar a alimentar os famintos.

Fazer um evento de caridade é algo natural, diz Forgione. & # 8220Estou sempre dando. Eu cozinho para as pessoas. & # 8221 Amém.


Talkin & # 8217 Turquia com Marc Forgione

Ontem foi um dia de outono ridiculamente pitoresco em Nova York, o tipo de dia em que você sente que algo maravilhoso está para acontecer. Para Marc Forgione, ele fez. O governante Iron Chef, de 32 anos, recebeu ontem a notícia de que, pelo terceiro ano consecutivo, o seu restaurante homônimo em Tribeca recebeu a cobiçada estrela Michelin, colocando-o entre os restaurantes de elite da cidade.

Quando atravessei as portas para encontrar Forgione, ele estava se dirigindo a sua equipe em uma das grandes mesas na sala de jantar principal do espaço semelhante a uma casa de fazenda. Sentei-me no bar, com vista (e cheiro) de bandejas cheias de pãezinhos recém-assados. Alguns funcionários perdidos zumbiam ao redor, preparando-se para o serviço de jantar, e o famoso chef moicano falou sobre o menu da noite & # 8217s antes de refletir sobre a importância de obter a menção do Michelin por três anos consecutivos. Seguiu-se uma salva de palmas e tudo voltou ao trabalho.

Poucos minutos depois, Forgione, vestido com seu casaco preto de chef, me cumprimentou. Estávamos lá para conversar sobre peru. Especificamente, sua contribuição para o novo livro de receitas do Macy & # 8217s Culinary Council & # 8217s, lançado esta semana, incluindo uma receita deliciosa de roulade de perna de peru. (Para obter mais informações sobre o The Macy's Culinary Council Thanksgiving e o Holiday Cookbook, visite o Woman’s Day). Mas eu não pude resistir a perguntar sobre tudo o que aconteceu com Forgione nos últimos anos - a surpreendente vitória do Iron Chef, as estrelas do Michelin, sua ascensão nas classificações culinárias perto de seu pai Larry Forgione, considerado o padrinho da culinária nova americana e uma grande influência na preparação orientada para a estação.

& # 8220Eu não sei se você conhece a história deste lugar, & # 8221 Forgione me diz, me olhando bem nos olhos. & # 8220Mas estávamos a dias de encerrar. A economia estava ruim. Eu estava começando a pensar que talvez eu tivesse tomado uma decisão errada - que o que eu estava cozinhando era certo para mim talvez, mas não era certo para os clientes. & # 8221

Ele perseverou, entretanto, ganhando estrelas do Michelin e do New York Times (duas no último caso), e então, é claro, alcançando a fama nacional em 2010 como O Próximo Chef de Ferro. Desde então, ele se tornou reconhecível o suficiente para ser parado nas ruas - recentemente ele foi avistado por fãs enquanto viajava por Wisconsin, ele diz & # 8220É & # 8217s demorou um pouco para se acostumar & # 8221 E o restaurante Marc Forgione, que foi quase um dos inúmeros restaurantes falidos na cena gastronômica de NYC & # 8217 em um determinado ano, passou de um destino de bairro que servia culinária baseada em ingredientes frescos para um destino de jantar, um local que se tornou uma visita obrigatória em qualquer viajante gastronômico e itinerário # 8217s.

Embora a fama e os elogios levem alguns chefs a se expandir rapidamente e a passar menos tempo na cozinha, Forgione diz que se diverte desafiando as tendências. Embora seja grato pelo status que o Iron Chef e outras aparições na TV lhe proporcionam, ele condena o fato de que o chefdom das celebridades é algo a que os jovens cozinheiros agora aspiram. & # 8220Eu garanto a você - & # 8221 ele diz, crescendo de intenso para quase assustador, & # 8220 ninguém que é um chef famoso hoje começou sua carreira dizendo que queria ser um chef famoso. Trabalhei no fogão durante anos. Morimoto trabalhou por trás do fogão quente por anos. & # 8221

Iluminando um pouco, ele observa, & # 8220Os clientes entram no restaurante e ficam chocados ao me ver cozinhando na cozinha. Eu gosto assim. & # 8221

Além da devoção à cozinha e ao restaurante, Forgione adora se envolver com a comunidade. Para o livro de receitas da Macy & # 8217s, ele se junta a Emeril Lagasse, Cat Cora, Marcus Samuelsson, Rick Bayless e outros no fornecimento de giros inteligentes em clássicos do Dia de Ação de Graças. Ele desenvolveu sua receita de rocambole de perna de peru porque, quando criança, odiava ter que brigar pela carne escura e suculenta de uma das duas pernas de peru.

E ele está intensificando seu trabalho de caridade também, liderando um evento em 15 de novembro no Restaurant Marc Forgione para beneficiar a Feeding America, a principal organização de combate à fome nos EUA. O benefício mínimo de US $ 1.000 por cabeça, & # 8220Coast To Coast Wine e Dine, & # 8221 apresenta cinco chefs com estrelas Michelin de Nova York (ele e seus amigos Missy Robbins de A Voce, Justin Bogle de Gilt, Brad Farmerie de Public e John Fraser de Dovetail) cozinhando pratos para combinar com cinco dos mais bem- enólogos conhecidos de Napa. É uma combinação promissora de chefs da Costa Leste e vinhos da Costa Oeste, mas o objetivo principal é ajudar a alimentar os famintos.

Fazer um evento de caridade é algo natural, diz Forgione. & # 8220Estou sempre dando. Eu cozinho para as pessoas. & # 8221 Amém.


Talkin & # 8217 Turquia com Marc Forgione

Ontem foi um dia de outono ridiculamente pitoresco em Nova York, o tipo de dia em que você sente que algo maravilhoso está para acontecer. Para Marc Forgione, ele fez. O governante Iron Chef, de 32 anos, recebeu ontem a notícia de que, pelo terceiro ano consecutivo, o seu restaurante homônimo em Tribeca recebeu a cobiçada estrela Michelin, colocando-o entre os restaurantes de elite da cidade.

Quando atravessei as portas para encontrar Forgione, ele estava se dirigindo a sua equipe em uma das grandes mesas na sala de jantar principal do espaço semelhante a uma casa de fazenda. Sentei-me no bar, com vista (e cheiro) de bandejas cheias de pãezinhos recém-assados. Alguns funcionários perdidos zumbiam ao redor, preparando-se para o serviço de jantar, e o famoso chef moicano falou sobre o menu da noite & # 8217s antes de refletir sobre a importância de obter a menção do Michelin por três anos consecutivos. Seguiu-se uma salva de palmas e tudo voltou ao trabalho.

Poucos minutos depois, Forgione, vestido com seu casaco preto de chef, me cumprimentou. Estávamos lá para conversar sobre peru. Especificamente, sua contribuição para o novo livro de receitas do Macy & # 8217s Culinary Council & # 8217s, lançado esta semana, incluindo uma receita deliciosa de roulade de perna de peru. (Para obter mais informações sobre o The Macy's Culinary Council Thanksgiving e o Holiday Cookbook, visite o Woman’s Day). Mas eu não pude resistir a perguntar sobre tudo o que aconteceu com Forgione nos últimos anos - a surpreendente vitória do Iron Chef, as estrelas do Michelin, sua ascensão nas classificações culinárias perto de seu pai Larry Forgione, considerado o padrinho da culinária nova americana e uma grande influência na preparação orientada para a estação.

& # 8220Eu não sei se você conhece a história deste lugar, & # 8221 Forgione me diz, me olhando bem nos olhos. & # 8220Mas estávamos a dias de encerrarmos. A economia estava ruim. Eu estava começando a pensar que talvez eu tivesse tomado uma decisão errada - que o que eu estava cozinhando era certo para mim talvez, mas não era certo para os clientes. & # 8221

Ele perseverou, entretanto, ganhando estrelas do Michelin e do New York Times (duas no último caso), e então, é claro, alcançando a fama nacional em 2010 como O Próximo Chef de Ferro. Desde então, ele se tornou reconhecível o suficiente para ser parado nas ruas - recentemente ele foi avistado por fãs enquanto viajava por Wisconsin, ele diz & # 8220É & # 8217s demorou um pouco para se acostumar & # 8221 E o restaurante Marc Forgione, que foi quase um dos inúmeros restaurantes falidos na cena gastronômica de NYC & # 8217 em um determinado ano, passou de um destino de bairro que servia comida baseada em ingredientes frescos para um destino de jantar, um local que se tornou uma visita obrigatória em qualquer viajante gastronômico e itinerário # 8217s.

Embora a fama e os elogios levem alguns chefs a se expandir rapidamente e a passar menos tempo na cozinha, Forgione diz que se diverte desafiando as tendências. Embora seja grato pelo status que o Iron Chef e outras aparições na TV lhe proporcionam, ele condena o fato de que o chefdom das celebridades é algo a que os jovens cozinheiros agora aspiram. & # 8220Eu garanto a você - & # 8221 diz ele, crescendo de intenso para quase assustador, & # 8220 ninguém que é um chef famoso hoje começou sua carreira dizendo que queria ser um chef famoso. Trabalhei no fogão durante anos. Morimoto trabalhou por trás do fogão quente por anos. & # 8221

Iluminando um pouco, ele observa, & # 8220Os clientes entram no restaurante e ficam chocados ao me ver cozinhando na cozinha. Eu gosto assim. & # 8221

Além da devoção à cozinha e ao restaurante, Forgione adora se envolver com a comunidade. Para o livro de receitas da Macy & # 8217s, ele se junta a Emeril Lagasse, Cat Cora, Marcus Samuelsson, Rick Bayless e outros no fornecimento de giros inteligentes em clássicos do Dia de Ação de Graças. Ele desenvolveu sua receita de rocambole de perna de peru porque, quando criança, odiava ter que lutar pela carne escura e suculenta de uma das duas pernas de peru.

E ele está intensificando seu trabalho de caridade também, liderando um evento em 15 de novembro no Restaurant Marc Forgione para beneficiar a Feeding America, a principal organização de combate à fome nos EUA. O benefício mínimo de US $ 1.000 por cabeça, & # 8220Coast To Coast Wine e Dine, & # 8221 apresenta cinco chefs com estrelas Michelin de Nova York (ele e seus amigos Missy Robbins de A Voce, Justin Bogle de Gilt, Brad Farmerie de Public e John Fraser de Dovetail) cozinhando pratos para combinar com cinco dos mais bem- enólogos conhecidos de Napa. É uma combinação promissora de chefs da Costa Leste e vinhos da Costa Oeste, mas o objetivo principal é ajudar a alimentar os famintos.

Fazer um evento de caridade é algo natural, diz Forgione. & # 8220Estou sempre dando. Eu cozinho para as pessoas. & # 8221 Amém.


Talkin & # 8217 Turquia com Marc Forgione

Ontem foi um dia de outono ridiculamente pitoresco em Nova York, o tipo de dia em que você sente que algo maravilhoso está para acontecer. Para Marc Forgione, ele fez. O governante Iron Chef, de 32 anos, recebeu ontem a notícia de que, pelo terceiro ano consecutivo, o seu restaurante homônimo em Tribeca recebeu a cobiçada estrela Michelin, colocando-o entre os restaurantes de elite da cidade.

Quando atravessei as portas para encontrar Forgione, ele estava se dirigindo a sua equipe em uma das grandes mesas na sala de jantar principal do espaço semelhante a uma casa de fazenda. Sentei-me no bar, com vista (e cheiro) de bandejas cheias de pãezinhos recém-assados. Alguns funcionários perdidos zumbiam ao redor, preparando-se para o serviço de jantar, e o famoso chef moicano falou sobre o menu da noite & # 8217s antes de refletir sobre a importância de obter a menção do Michelin por três anos consecutivos. Seguiu-se uma salva de palmas e tudo voltou ao trabalho.

Poucos minutos depois, Forgione, vestido com seu casaco preto de chef, me cumprimentou. Estávamos lá para conversar sobre peru. Especificamente, sua contribuição para o novo livro de receitas do Macy & # 8217s Culinary Council & # 8217s, lançado esta semana, incluindo uma receita deliciosa de roulade de perna de peru. (Para obter mais informações sobre o The Macy's Culinary Council Thanksgiving e o Holiday Cookbook, visite o Woman’s Day). Mas eu não pude resistir a perguntar sobre tudo o que aconteceu com Forgione nos últimos anos - a surpreendente vitória do Iron Chef, as estrelas do Michelin, sua ascensão nas classificações culinárias perto de seu pai Larry Forgione, considerado o padrinho da culinária nova americana e uma grande influência na preparação orientada para a estação.

& # 8220Eu não sei se você conhece a história deste lugar, & # 8221 Forgione me diz, me olhando bem nos olhos. & # 8220Mas estávamos a dias de encerrarmos. A economia estava ruim. Eu estava começando a pensar que talvez eu tivesse tomado uma decisão errada - que o que eu estava cozinhando era certo para mim talvez, mas não era certo para os clientes. & # 8221

Ele perseverou, entretanto, ganhando estrelas do Michelin e do New York Times (duas no último caso), e então, é claro, alcançando a fama nacional em 2010 como O Próximo Chef de Ferro. Desde então, ele se tornou reconhecível o suficiente para ser parado nas ruas - recentemente ele foi avistado por fãs enquanto viajava por Wisconsin, ele diz & # 8220É & # 8217s demorou um pouco para se acostumar & # 8221 E o restaurante Marc Forgione, que foi quase um dos inúmeros restaurantes falidos na cena gastronômica de NYC & # 8217 em um determinado ano, passou de um destino de bairro que servia comida baseada em ingredientes frescos para um destino de jantar, um local que se tornou uma visita obrigatória em qualquer viajante gastronômico e itinerário # 8217s.

Embora a fama e os elogios levem alguns chefs a se expandir rapidamente e a passar menos tempo na cozinha, Forgione diz que se diverte desafiando as tendências. Embora seja grato pelo status que o Iron Chef e outras aparições na TV lhe proporcionam, ele condena o fato de que o chefdom das celebridades é algo a que os jovens cozinheiros agora aspiram. & # 8220Eu garanto a você - & # 8221 ele diz, crescendo de intenso para quase assustador, & # 8220 ninguém que é um chef famoso hoje começou sua carreira dizendo que queria ser um chef famoso. Trabalhei no fogão durante anos. Morimoto trabalhou por trás do fogão quente por anos. & # 8221

Iluminando um pouco, ele observa, & # 8220Os clientes entram no restaurante e ficam chocados ao me ver cozinhando na cozinha. Eu gosto assim. & # 8221

Além da devoção à cozinha e ao restaurante, Forgione adora se envolver com a comunidade. Para o livro de receitas Macy & # 8217s, ele se junta a Emeril Lagasse, Cat Cora, Marcus Samuelsson, Rick Bayless e outros no fornecimento de giros inteligentes em clássicos do Dia de Ação de Graças. Ele desenvolveu sua receita de rocambole de perna de peru porque, quando criança, odiava ter que brigar pela carne escura e suculenta de uma das duas pernas de peru.

E ele está intensificando seu trabalho de caridade também, liderando um evento em 15 de novembro no Restaurant Marc Forgione para beneficiar a Feeding America, a principal organização de combate à fome nos EUA. O benefício mínimo de US $ 1.000 por cabeça, & # 8220Coast To Coast Wine e Dine, & # 8221 apresenta cinco chefs com estrelas Michelin de Nova York (ele e seus amigos Missy Robbins de A Voce, Justin Bogle de Gilt, Brad Farmerie de Public e John Fraser de Dovetail) cozinhando pratos para combinar com cinco dos mais bem- vinicultores conhecidos de Napa. É uma combinação promissora de chefs da Costa Leste e vinhos da Costa Oeste, mas o objetivo principal é ajudar a alimentar os famintos.

Fazer um evento de caridade é algo natural, diz Forgione. & # 8220Estou sempre dando. Eu cozinho para as pessoas. & # 8221 Amém.


Talkin & # 8217 Turquia com Marc Forgione

Ontem foi um dia de outono ridiculamente pitoresco em Nova York, o tipo de dia em que você sente que algo maravilhoso está para acontecer. Para Marc Forgione, ele fez. O governante Iron Chef, de 32 anos, recebeu ontem a notícia de que, pelo terceiro ano consecutivo, o seu restaurante homônimo em Tribeca recebeu a cobiçada estrela Michelin, colocando-o entre os restaurantes de elite da cidade.

Quando atravessei as portas para encontrar Forgione, ele estava se dirigindo a sua equipe em uma das grandes mesas na sala de jantar principal do espaço semelhante a uma casa de fazenda. Sentei-me no bar, com vista (e cheiro) de bandejas cheias de pãezinhos recém-assados. Alguns funcionários desgarrados zumbiam ao redor, preparando-se para o serviço de jantar, e o famoso chef moicano falou sobre o menu da noite & # 8217s antes de refletir sobre a importância de obter o título Michelin três anos consecutivos. Seguiu-se uma salva de palmas e tudo voltou ao trabalho.

Poucos minutos depois, Forgione, vestido com seu casaco preto de chef, me cumprimentou. Estávamos lá para conversar sobre peru. Especificamente, sua contribuição para o novo livro de receitas do Macy & # 8217s Culinary Council & # 8217s, lançado esta semana, incluindo uma receita deliciosa de roulade de perna de peru. (Para obter mais informações sobre o The Macy's Culinary Council Thanksgiving e o Holiday Cookbook, visite o Woman’s Day). Mas eu não pude resistir a perguntar sobre tudo o que aconteceu com Forgione nos últimos anos - a surpreendente vitória do Iron Chef, as estrelas do Michelin, sua ascensão nas classificações culinárias perto de seu pai Larry Forgione, considerado o padrinho da culinária nova americana e uma grande influência na preparação orientada para as estações.

& # 8220Eu não sei se você conhece a história deste lugar, & # 8221 Forgione me diz, me olhando bem nos olhos. & # 8220Mas estávamos a dias de encerrarmos. A economia estava ruim. Eu estava começando a pensar que talvez eu tivesse tomado uma decisão errada - que o que eu estava cozinhando era certo para mim talvez, mas não era certo para os clientes. & # 8221

Ele perseverou, entretanto, ganhando estrelas do Michelin e do New York Times (duas no último caso), e então, é claro, alcançando a fama nacional em 2010 como O Próximo Chef de Ferro. Desde então, ele se tornou reconhecível o suficiente para ser parado nas ruas - recentemente ele foi avistado por fãs enquanto viajava por Wisconsin, ele diz & # 8220É & # 8217s demorou um pouco para se acostumar & # 8221 E o restaurante Marc Forgione, que foi quase um dos inúmeros restaurantes falidos na cena gastronômica de NYC & # 8217 em um determinado ano, passou de um destino de bairro que servia comida baseada em ingredientes frescos para um destino de jantar, um local que se tornou uma visita obrigatória em qualquer viajante gastronômico e itinerário # 8217s.

Embora a fama e os elogios levem alguns chefs a se expandir rapidamente e a passar menos tempo na cozinha, Forgione diz que se diverte desafiando as tendências. Embora seja grato pelo status que o Iron Chef e outras aparições na TV lhe proporcionam, ele condena o fato de que o chefdom das celebridades é algo a que os jovens cozinheiros agora aspiram. & # 8220Eu garanto a você - & # 8221 ele diz, crescendo de intenso para quase assustador, & # 8220 ninguém que é um chef famoso hoje começou sua carreira dizendo que queria ser um chef famoso. Trabalhei no fogão durante anos. Morimoto trabalhou por trás do fogão quente por anos. & # 8221

Iluminando um pouco, ele observa, & # 8220Os clientes entram no restaurante e ficam chocados ao me ver cozinhando na cozinha. Eu gosto assim. & # 8221

Além da devoção à cozinha e ao restaurante, Forgione adora se envolver com a comunidade. Para o livro de receitas da Macy & # 8217s, ele se junta a Emeril Lagasse, Cat Cora, Marcus Samuelsson, Rick Bayless e outros no fornecimento de giros inteligentes em clássicos do Dia de Ação de Graças. Ele desenvolveu sua receita de rocambole de perna de peru porque, quando criança, odiava ter que brigar pela carne escura e suculenta de uma das duas pernas de peru.

E ele está intensificando seu trabalho de caridade também, liderando um evento em 15 de novembro no Restaurant Marc Forgione para beneficiar a Feeding America, a principal organização de combate à fome nos EUA. O benefício mínimo de US $ 1.000 por cabeça, & # 8220Coast To Coast Wine e Dine, & # 8221 apresenta cinco chefs com estrelas Michelin de Nova York (ele e seus amigos Missy Robbins de A Voce, Justin Bogle de Gilt, Brad Farmerie de Public e John Fraser de Dovetail) cozinhando pratos para combinar com cinco dos mais bem- enólogos conhecidos de Napa. É uma combinação promissora de chefs da Costa Leste e vinhos da Costa Oeste, mas o objetivo principal é ajudar a alimentar os famintos.

Fazer um evento de caridade é algo natural, diz Forgione. & # 8220Estou sempre dando. Eu cozinho para as pessoas. & # 8221 Amém.


Talkin & # 8217 Turquia com Marc Forgione

Ontem foi um dia de outono ridiculamente pitoresco em Nova York, o tipo de dia em que você sente que algo maravilhoso está para acontecer. Para Marc Forgione, ele fez. O governante Iron Chef, de 32 anos, recebeu ontem a notícia de que, pelo terceiro ano consecutivo, o seu restaurante homônimo em Tribeca recebeu a cobiçada estrela Michelin, colocando-o entre os restaurantes de elite da cidade.

Quando atravessei as portas para encontrar Forgione, ele estava se dirigindo a sua equipe em uma das grandes mesas na sala de jantar principal do espaço semelhante a uma casa de fazenda. Sentei-me no bar, com vista (e cheiro) de bandejas cheias de pãezinhos recém-assados. Alguns funcionários perdidos zumbiam ao redor, preparando-se para o serviço de jantar, e o famoso chef moicano falou sobre o menu da noite & # 8217s antes de refletir sobre a importância de obter a menção do Michelin por três anos consecutivos. Seguiu-se uma salva de palmas e tudo voltou ao trabalho.

Poucos minutos depois, Forgione, vestido com seu casaco preto de chef, me cumprimentou. Estávamos lá para conversar sobre peru. Especificamente, sua contribuição para o novo livro de receitas do Macy & # 8217s Culinary Council & # 8217s, lançado esta semana, incluindo uma receita deliciosa de roulade de perna de peru. (Para obter mais informações sobre o The Macy's Culinary Council Thanksgiving e o Holiday Cookbook, visite o Woman’s Day). But I couldn’t resist asking about all that has happened to Forgione over the past few years — the surprising Iron Chef victory, the Michelin stars, his ascension up the culinary ranks near his father Larry Forgione, considered the godfather of New American cooking and a huge influence on seasonal-driven preparation.

“I don’t know if you know the history of this place,” Forgione tells me, looking me dead in the eye. “But we were days away from shutting down. The economy was bad. I was starting to think that maybe I’d made a wrong decision — that what I was cooking was right for me maybe but it wasn’t right for the customers.”

He persevered, however, winning Michelin and New York Times stars (two in the latter case), and then of course surging to national fame in 2010 as The Next Iron Chef. Ever since, he has become recognizable enough to get stopped in the streets — recently he was spotted by fans while traveling in Wisconsin, he says “It’s taken a little getting used to.” And Restaurant Marc Forgione, which was almost one of the myriad failed restaurants in NYC’s dining scene in a given year, went from neighborhood destination serving fresh-ingredient-driven cooking to dining destination, a spot that has become a must-visit on any foodie traveler’s itinerary.

While the fame and accolades would drive some chefs to rapidly expand and spend less time in the kitchen, Forgione says he revels in defying trends. While he is thankful for the status that Iron Chef and other TV appearances afford him, he decries the fact that celebrity chefdom is something that young cooks now aspire to. “I guarantee you this—” he says, growing from intense to almost scary, “nobody who is a celebrity chef today started their career out by saying they wanted to be a celebrity chef. I worked behind the stove for years. Morimoto worked behind the hot stove for years.”

Lightening up a bit, he notes, “Customers walk into the restaurant and are shocked to see me in the kitchen cooking. I like it that way.”

Besides his devotion to cooking and to his restaurant, Forgione loves getting involved with the community. For the Macy’s cookbook, he joins Emeril Lagasse, Cat Cora, Marcus Samuelsson, Rick Bayless and others in providing clever spins on Thanksgiving classics. He developed his turkey leg roulade recipe because as a kid, he hated to have to fight over the succulent dark meat from one of the two turkey legs the roulade, he says, offers everyone at the table a taste.

And he’s stepping up his charitable work as well, spearheading a November 15 event at Restaurant Marc Forgione to benefit Feeding America, the foremost hunger-relief organization in the U.S. The minimum $1,000-a-head benefit, “Coast To Coast Wine and Dine,” features five Michelin-starred chefs from NYC (himself and pals Missy Robbins from A Voce, Justin Bogle from Gilt, Brad Farmerie from Public and John Fraser of Dovetail) cooking dishes to pair with five of the most well-known Napa winemakers. It’s a promising matchup of East Coast chefs and West Coast wines, but the main goal is to help feed the hungry.

Doing an event for charity comes naturally, Forgione says. “I am always giving. I cook for people.” Amen.


Talkin’ Turkey with Marc Forgione

Yesterday was a ridiculously picturesque fall day in New York City, the kind of day when you just feel like something great is about to happen. Para Marc Forgione, it did. The 32-year-old reigning Iron Chef received the news yesterday that for the third year running, his eponymous restaurant in Tribeca had received a coveted Michelin star, placing it amongst the élite restaurants in the city.

When I walked through the doors to meet Forgione, he was addressing his staff at one of the big tables in the main dining room of the farmhouse-like space. I took a seat in the bar, within sight (and smell) of trays full of freshly baked dinner rolls. A few stray staffers buzzed around, getting ready for dinner service, and the famously mohawked chef talked up the night’s menu before reflecting on the importance of getting the Michelin nod three years in a row. A hearty round of applause followed, and it was back to work.

A few minutes later, Forgione, dressed in his signature black chef coat, greeted me. We were there to talk turkey. Specifically, his contribution to the Macy’s Culinary Council’s new cookbook, out this week, including a delicious-sounding turkey leg roulade recipe. (For more coverage on The Macy’s Culinary Council Thanksgiving and Holiday Cookbook visit Woman’s Day). But I couldn’t resist asking about all that has happened to Forgione over the past few years — the surprising Iron Chef victory, the Michelin stars, his ascension up the culinary ranks near his father Larry Forgione, considered the godfather of New American cooking and a huge influence on seasonal-driven preparation.

“I don’t know if you know the history of this place,” Forgione tells me, looking me dead in the eye. “But we were days away from shutting down. The economy was bad. I was starting to think that maybe I’d made a wrong decision — that what I was cooking was right for me maybe but it wasn’t right for the customers.”

He persevered, however, winning Michelin and New York Times stars (two in the latter case), and then of course surging to national fame in 2010 as The Next Iron Chef. Ever since, he has become recognizable enough to get stopped in the streets — recently he was spotted by fans while traveling in Wisconsin, he says “It’s taken a little getting used to.” And Restaurant Marc Forgione, which was almost one of the myriad failed restaurants in NYC’s dining scene in a given year, went from neighborhood destination serving fresh-ingredient-driven cooking to dining destination, a spot that has become a must-visit on any foodie traveler’s itinerary.

While the fame and accolades would drive some chefs to rapidly expand and spend less time in the kitchen, Forgione says he revels in defying trends. While he is thankful for the status that Iron Chef and other TV appearances afford him, he decries the fact that celebrity chefdom is something that young cooks now aspire to. “I guarantee you this—” he says, growing from intense to almost scary, “nobody who is a celebrity chef today started their career out by saying they wanted to be a celebrity chef. I worked behind the stove for years. Morimoto worked behind the hot stove for years.”

Lightening up a bit, he notes, “Customers walk into the restaurant and are shocked to see me in the kitchen cooking. I like it that way.”

Besides his devotion to cooking and to his restaurant, Forgione loves getting involved with the community. For the Macy’s cookbook, he joins Emeril Lagasse, Cat Cora, Marcus Samuelsson, Rick Bayless and others in providing clever spins on Thanksgiving classics. He developed his turkey leg roulade recipe because as a kid, he hated to have to fight over the succulent dark meat from one of the two turkey legs the roulade, he says, offers everyone at the table a taste.

And he’s stepping up his charitable work as well, spearheading a November 15 event at Restaurant Marc Forgione to benefit Feeding America, the foremost hunger-relief organization in the U.S. The minimum $1,000-a-head benefit, “Coast To Coast Wine and Dine,” features five Michelin-starred chefs from NYC (himself and pals Missy Robbins from A Voce, Justin Bogle from Gilt, Brad Farmerie from Public and John Fraser of Dovetail) cooking dishes to pair with five of the most well-known Napa winemakers. It’s a promising matchup of East Coast chefs and West Coast wines, but the main goal is to help feed the hungry.

Doing an event for charity comes naturally, Forgione says. “I am always giving. I cook for people.” Amen.


Talkin’ Turkey with Marc Forgione

Yesterday was a ridiculously picturesque fall day in New York City, the kind of day when you just feel like something great is about to happen. Para Marc Forgione, it did. The 32-year-old reigning Iron Chef received the news yesterday that for the third year running, his eponymous restaurant in Tribeca had received a coveted Michelin star, placing it amongst the élite restaurants in the city.

When I walked through the doors to meet Forgione, he was addressing his staff at one of the big tables in the main dining room of the farmhouse-like space. I took a seat in the bar, within sight (and smell) of trays full of freshly baked dinner rolls. A few stray staffers buzzed around, getting ready for dinner service, and the famously mohawked chef talked up the night’s menu before reflecting on the importance of getting the Michelin nod three years in a row. A hearty round of applause followed, and it was back to work.

A few minutes later, Forgione, dressed in his signature black chef coat, greeted me. We were there to talk turkey. Specifically, his contribution to the Macy’s Culinary Council’s new cookbook, out this week, including a delicious-sounding turkey leg roulade recipe. (For more coverage on The Macy’s Culinary Council Thanksgiving and Holiday Cookbook visit Woman’s Day). But I couldn’t resist asking about all that has happened to Forgione over the past few years — the surprising Iron Chef victory, the Michelin stars, his ascension up the culinary ranks near his father Larry Forgione, considered the godfather of New American cooking and a huge influence on seasonal-driven preparation.

“I don’t know if you know the history of this place,” Forgione tells me, looking me dead in the eye. “But we were days away from shutting down. The economy was bad. I was starting to think that maybe I’d made a wrong decision — that what I was cooking was right for me maybe but it wasn’t right for the customers.”

He persevered, however, winning Michelin and New York Times stars (two in the latter case), and then of course surging to national fame in 2010 as The Next Iron Chef. Ever since, he has become recognizable enough to get stopped in the streets — recently he was spotted by fans while traveling in Wisconsin, he says “It’s taken a little getting used to.” And Restaurant Marc Forgione, which was almost one of the myriad failed restaurants in NYC’s dining scene in a given year, went from neighborhood destination serving fresh-ingredient-driven cooking to dining destination, a spot that has become a must-visit on any foodie traveler’s itinerary.

While the fame and accolades would drive some chefs to rapidly expand and spend less time in the kitchen, Forgione says he revels in defying trends. While he is thankful for the status that Iron Chef and other TV appearances afford him, he decries the fact that celebrity chefdom is something that young cooks now aspire to. “I guarantee you this—” he says, growing from intense to almost scary, “nobody who is a celebrity chef today started their career out by saying they wanted to be a celebrity chef. I worked behind the stove for years. Morimoto worked behind the hot stove for years.”

Lightening up a bit, he notes, “Customers walk into the restaurant and are shocked to see me in the kitchen cooking. I like it that way.”

Besides his devotion to cooking and to his restaurant, Forgione loves getting involved with the community. For the Macy’s cookbook, he joins Emeril Lagasse, Cat Cora, Marcus Samuelsson, Rick Bayless and others in providing clever spins on Thanksgiving classics. He developed his turkey leg roulade recipe because as a kid, he hated to have to fight over the succulent dark meat from one of the two turkey legs the roulade, he says, offers everyone at the table a taste.

And he’s stepping up his charitable work as well, spearheading a November 15 event at Restaurant Marc Forgione to benefit Feeding America, the foremost hunger-relief organization in the U.S. The minimum $1,000-a-head benefit, “Coast To Coast Wine and Dine,” features five Michelin-starred chefs from NYC (himself and pals Missy Robbins from A Voce, Justin Bogle from Gilt, Brad Farmerie from Public and John Fraser of Dovetail) cooking dishes to pair with five of the most well-known Napa winemakers. It’s a promising matchup of East Coast chefs and West Coast wines, but the main goal is to help feed the hungry.

Doing an event for charity comes naturally, Forgione says. “I am always giving. I cook for people.” Amen.


Talkin’ Turkey with Marc Forgione

Yesterday was a ridiculously picturesque fall day in New York City, the kind of day when you just feel like something great is about to happen. Para Marc Forgione, it did. The 32-year-old reigning Iron Chef received the news yesterday that for the third year running, his eponymous restaurant in Tribeca had received a coveted Michelin star, placing it amongst the élite restaurants in the city.

When I walked through the doors to meet Forgione, he was addressing his staff at one of the big tables in the main dining room of the farmhouse-like space. I took a seat in the bar, within sight (and smell) of trays full of freshly baked dinner rolls. A few stray staffers buzzed around, getting ready for dinner service, and the famously mohawked chef talked up the night’s menu before reflecting on the importance of getting the Michelin nod three years in a row. A hearty round of applause followed, and it was back to work.

A few minutes later, Forgione, dressed in his signature black chef coat, greeted me. We were there to talk turkey. Specifically, his contribution to the Macy’s Culinary Council’s new cookbook, out this week, including a delicious-sounding turkey leg roulade recipe. (For more coverage on The Macy’s Culinary Council Thanksgiving and Holiday Cookbook visit Woman’s Day). But I couldn’t resist asking about all that has happened to Forgione over the past few years — the surprising Iron Chef victory, the Michelin stars, his ascension up the culinary ranks near his father Larry Forgione, considered the godfather of New American cooking and a huge influence on seasonal-driven preparation.

“I don’t know if you know the history of this place,” Forgione tells me, looking me dead in the eye. “But we were days away from shutting down. The economy was bad. I was starting to think that maybe I’d made a wrong decision — that what I was cooking was right for me maybe but it wasn’t right for the customers.”

He persevered, however, winning Michelin and New York Times stars (two in the latter case), and then of course surging to national fame in 2010 as The Next Iron Chef. Ever since, he has become recognizable enough to get stopped in the streets — recently he was spotted by fans while traveling in Wisconsin, he says “It’s taken a little getting used to.” And Restaurant Marc Forgione, which was almost one of the myriad failed restaurants in NYC’s dining scene in a given year, went from neighborhood destination serving fresh-ingredient-driven cooking to dining destination, a spot that has become a must-visit on any foodie traveler’s itinerary.

While the fame and accolades would drive some chefs to rapidly expand and spend less time in the kitchen, Forgione says he revels in defying trends. While he is thankful for the status that Iron Chef and other TV appearances afford him, he decries the fact that celebrity chefdom is something that young cooks now aspire to. “I guarantee you this—” he says, growing from intense to almost scary, “nobody who is a celebrity chef today started their career out by saying they wanted to be a celebrity chef. I worked behind the stove for years. Morimoto worked behind the hot stove for years.”

Lightening up a bit, he notes, “Customers walk into the restaurant and are shocked to see me in the kitchen cooking. I like it that way.”

Besides his devotion to cooking and to his restaurant, Forgione loves getting involved with the community. For the Macy’s cookbook, he joins Emeril Lagasse, Cat Cora, Marcus Samuelsson, Rick Bayless and others in providing clever spins on Thanksgiving classics. He developed his turkey leg roulade recipe because as a kid, he hated to have to fight over the succulent dark meat from one of the two turkey legs the roulade, he says, offers everyone at the table a taste.

And he’s stepping up his charitable work as well, spearheading a November 15 event at Restaurant Marc Forgione to benefit Feeding America, the foremost hunger-relief organization in the U.S. The minimum $1,000-a-head benefit, “Coast To Coast Wine and Dine,” features five Michelin-starred chefs from NYC (himself and pals Missy Robbins from A Voce, Justin Bogle from Gilt, Brad Farmerie from Public and John Fraser of Dovetail) cooking dishes to pair with five of the most well-known Napa winemakers. It’s a promising matchup of East Coast chefs and West Coast wines, but the main goal is to help feed the hungry.

Doing an event for charity comes naturally, Forgione says. “I am always giving. I cook for people.” Amen.


Assista o vídeo: DZIEŃ DZIĘKCZYNIENIA (Janeiro 2022).