Novas receitas

Como comer como um morador local em qualquer lugar do mundo

Como comer como um morador local em qualquer lugar do mundo

digitalvision / Thinkstock

Dicas de um especialista em turismo culinário para escapar das armadilhas do turista e realmente vivenciar a gastronomia do seu destino por dentro.

Como comer como um morador local em qualquer lugar do mundo

digitalvision / Thinkstock

Dicas de um especialista em turismo culinário para escapar das armadilhas do turista e realmente vivenciar a gastronomia do seu destino por dentro.

Faça sua pesquisa.

A Internet mudou a maneira como fazemos muitas coisas em nossas vidas, e viajar e jantar não são exceções. Antes de ir para o aeroporto, passe algum tempo online. Veja mapas, leia críticas sobre restaurantes e rastreie informações sobre a culinária tradicional. Ao planejar minhas viagens, sempre verifico as seções Lonely Planet, Chowhound, The New York Times Dining & Wine e Travel, e TripAdvisor, para citar apenas alguns.

Aprenda suas maneiras.

digitalvision / Thinkstock

Você sabia que, no Japão, é uma grande gafe sustentar seus pauzinhos na vertical na tigela de arroz? Na França, é o cúmulo da grosseria pedir para dividir a conta de um restaurante. Na China, arrotar é um sinal de respeito ao anfitrião e satisfação com a refeição. Não importa onde você vá no mundo, chegue lá armado com um conhecimento prático de etiqueta local, e você descobrirá que seus anfitriões o aceitarão em sua cultura muito mais rapidamente.

Faça amigos onde quer que você vá.

iStock / thinkstock

Mesmo que haja uma barreira de idioma entre você e a população local, descobri que as pessoas em todos os lugares estão quase sempre animadas para apresentar os recém-chegados ao seu mundo, especialmente se eles demonstrarem mente aberta e interesse genuíno. Seja curioso por fora. Fale com todos que puder. Permita a espontaneidade. Todos, em todos os lugares, têm um prato, restaurante ou receita favorita. É incrível o que você descobrirá sobre um lugar apenas perguntando a um estranho amigável o que ele gosta de comer.

Saia da sua zona de conforto culinário.

stockbyte / Thinkstock

O segredo para saborear a culinária local é mais fácil de dizer do que fazer, para alguns: você deve eliminar a ideia de que existem alimentos que você odeia por aí. Dizer por hábito que você simplesmente "não gosta" de algo - como couve de Bruxelas, talvez, ou patê de fígado de frango - corta seu potencial para uma experiência esclarecedora. Ele passa um julgamento implícito sobre o gosto de seus anfitriões. E quem sabe? Talvez você nunca tenha preparado couves de Bruxelas adequadamente. Talvez você realmente ame patê de fígado de frango, quando bem feito. Você nunca saberá a menos que tente.

Encontre os mercados de agricultores locais.

Sou conhecido por perder tardes inteiras vagando pelos mercados locais de qualquer cidade. Os melhores percorrem quilômetros; filas e filas de produtos, carne, peixe e iguarias locais. Freqüentemente, os mercados oferecem barracas de comida servindo pratos simples feitos com ingredientes frescos, em preparações tradicionais. Esses mercados geralmente serão minha primeira parada depois de pousar em um novo lugar, pois eles mostram um amplo espectro do que é delicioso em minha nova casa temporária.

Não tenha medo da comida de rua.

Apesar da recente revolução do food truck, os Estados Unidos chegaram mais tarde ao moderno jogo de comida de rua. Em muitos lugares do mundo, as melhores refeições não são servidas em restaurantes tradicionais com mesas, mas em vendedores ambulantes de comida especializados em um ou dois pratos favoritos. Os americanos costumam ficar desconcertados com a ideia de comida de rua, uma ideia alimentada talvez por uma experiência ruim em um carrinho de cachorro-quente nojento ou uma barraca de pretzel. Em outras partes do mundo, a comida de rua é tão local e autêntica quanto pode ser comida.

Explore fora das áreas turísticas.

Isso pode parecer óbvio, mas é fácil cair na armadilha da conveniência, especialmente se você estiver hospedado no coração de um distrito turístico. É para isso que existem táxis e ônibus. Depois de fazer sua pesquisa, tente encontrar o caminho para sair do reino dos menus de imagens laminadas, cuja comida cara e mal preparada se destina a satisfazer o menor denominador comum. Procure os bairros onde as pessoas realmente vivem. Encontre seus locais favoritos. Descubra a comida que os habitantes locais comem e amam todos os dias.

Preste atenção à clientela de um restaurante.

iStock / Thinkstock

Ao escolher onde comer, observe de perto quem já está jantando lá. A melhor maneira de detectar uma armadilha para turistas é avistando os turistas. Se você está em Milão, mas todos no café estão falando inglês, provavelmente é um mau sinal. Se você está em um restaurante em Buenos Aires e metade das mesas está repleta de pessoas vestindo camisetas do Manchester United, você vai querer escolher outro local para jantar. Esta é a única área em que acho totalmente normal julgar um livro pela capa.

Marque uma refeição caseira.

iStock / Thinkstock

Em muitos lugares, há pessoas que abrem suas casas e suas cozinhas para clientes pagantes. Pode demorar um pouco para encontrar, mas se você conseguir que a avó de alguém lhe prepare o jantar de domingo, é quase certo que você terá uma experiência culinária autêntica. Além da possibilidade de uma refeição deliciosa e única, você também pode ter sorte e se tornar um membro substituto da família durante a noite. Apenas certifique-se de oferecer ajuda com os pratos assim que a refeição terminar.

Pergunte ao seu barman.

Ou seu motorista de táxi ou seu carregador. Não importa onde você esteja, os melhores conselhos sobre restaurantes geralmente vêm de pessoas que trabalham no setor de serviços. Pergunte a eles onde, quando terminam o turno, eles gostam de sair e comer. Onde o taxista deixa a maioria das pessoas em uma noite de sexta-feira? As pessoas que trabalham com e perto de boa comida são as que mais sabem sobre os melhores restaurantes de sua cidade, e é provável que você acabe em um lugar que nunca teria encontrado de outra forma.

Deixe um especialista ser o seu guia.

WavebreakMedia / Thinkstock

Embora a Internet tenha proporcionado uma grande capacidade de ação aos viajantes que desejam planejar suas próprias viagens, ainda existe uma florescente indústria de especialistas para ajudá-lo em seu caminho. O turismo culinário está explodindo em todo o mundo, com trajes locais em quase todas as cidades do mundo para indicar a direção certa, fazer uma boa reserva ou levá-lo em um tour pelos melhores lugares para a culinária local.


Como comer como um morador local

Uma grande parte da experiência de viagem consiste em conhecer as tradições, história e cultura locais. Felizmente, você pode entrar em contato com os três aspectos de uma identidade nacional apenas comendo.

Seja através do evento altamente estruturado das cerimônias do chá do Japão & # x27s ou dos prazeres simples das barracas de vendedores ambulantes da Malásia & # x27s, provar a culinária country & # x27s da maneira que os próprios habitantes locais a apreciam é uma maneira infalível de tornar sua viagem muito mais memorável. Aqui estão algumas dicas para transformá-lo em um locavore:

1. Pesquisa, pesquisa, pesquisa

Não há falta de comida e informações sobre viagens nos dias de hoje, então pesquisar seu destino não poderia ser mais fácil. Além dos sites de viagens habituais, as seções de comida e bebida dos jornais locais, como O jornal New York TimesJantar e Vinho, apresentará os mais recentes restaurantes e tendências gastronômicas. Procure também blogs de comida locais. O chef confeiteiro americano David Lebovitz, que vive em Paris, apresenta restaurantes e restaurantes parisienses em seu blog de mesmo nome, enquanto as joias gastronômicas escondidas de Istambul são exploradas em istanbuleats.com. Lonely Planet & # x27s & # x27Get Stuffed & # x27 branch em Thorn Tree também é um ótimo local para pesquisar as tradições alimentares locais (incluindo receitas em abundância).

2. Chegou às ruas

É difícil superar a comida de rua como uma das formas mais autênticas e vibrantes de vivenciar a agitação local. Experimente bhajis picantes e jalebis doces pegajosos à beira da estrada na Índia, ou perca-se na agitada praça de Marrakech, Djemaa El-Fna, para ver caracóis tradicionalmente colhidos de suas conchas com alfinetes de segurança e espetadas de carne gigantescas. E não vamos esquecer a Tailândia, possivelmente o maior destino de comida de rua do mundo com clássicos como o onipresente pad thai, salada de som tam agridoce e kuaytiaw como uma sopa.

3. Compre com os habitantes locais

Pense em seus próprios hábitos e em como você come e faz compras em casa. Os mercados de frutos do mar e produtos hortifrutigranjeiros costumam estar repletos e vibrar com a vida local nos dias de mercado. Tente pechinchar sobre a captura matinal de atum no Mercado de Peixe de Tsukiji, em Tóquio, ou brigar com os habitantes locais nas delicatessens históricas de Bolonha no Quadrilátero por tortellini feito na hora e mortadela suculenta. Até mesmo os supermercados podem oferecer dicas sobre as preferências gastronômicas locais, como a incrível variedade de queijos raclette e fondue em uma Swiss Coop City.

4. Pergunte a um local

Os motoristas de táxi geralmente ficam mais do que felizes em compartilhar onde os moradores locais gostam de sair para jantar nas noites de sexta e sábado - e até mesmo levá-lo de volta. Em vez de orientações para restaurantes próximos, pergunte ao concierge do hotel onde elas iriam jantar com seus amigos. E não tenha vergonha de receber uma recomendação do barman ou esperar a equipe para sua próxima parada no box, enquanto toma um café ou bebe um aperitivo no início da noite.

5. Programe sua visita

Os festivais e celebrações são uma forma divertida e significativa de conhecer a história e a cultura gastronómica local. O Natal é rico em tradição em muitos países, desde o kartoffelpuffer (bolos de batata fritos) e Glühwein (vinho quente) nos mercados de Natal da Alemanha para o Pinnekjott (costela de cordeiro) e Ribbe (costela de porco) em um jantar típico norueguês. O número e a grande variedade de festivais gastronômicos também são infinitos, desde ostras em Galway no final de outubro até a celebração do alho rosa no minúsculo vilarejo de Lautrec, na França, em agosto.

6. Amplie seus horizontes (de viagem)

Aventure-se e explore além das cidades, para as periferias e subúrbios, onde lugares especializados em cozinhas específicas podem ser frequentemente encontrados. Uma curta viagem de ônibus ou trem pode fazer com que você aproveite Kimchi e Bulgogi em Koreatown (New Malden em Londres) ou pizza e massa napolitana em Little Italy (Haberfield em Sydney).

7. Abra seus olhos e siga seu nariz

Pode soar como afirmando o óbvio, mas uma proporção mais alta de moradores contra turistas com câmeras e um menu escrito inteiramente no idioma local continuam a ser bons critérios para determinar se um restaurante é o favorito local. O teste se aplica igualmente se você estiver escolhendo um local para comer na Chinatown local ou no bouchons em Lyon. E por que não seguir seu faro e ir aonde os cheiros da comida o levam, como os moradores locais servindo pizzas de queijo e tomate direto da janela de suas cozinhas em Cuba.


Como comer como um morador local

Uma grande parte da experiência de viagem consiste em conhecer as tradições, história e cultura locais. Felizmente, você pode entrar em contato com os três aspectos de uma identidade nacional apenas comendo.

Seja através do evento altamente estruturado das cerimônias do chá do Japão & # x27s ou dos prazeres simples das barracas de vendedores ambulantes da Malásia & # x27s, provar a culinária country & # x27s da maneira que os próprios habitantes locais a apreciam é uma maneira infalível de tornar sua viagem muito mais memorável. Aqui estão algumas dicas para transformá-lo em um locavore:

1. Pesquisa, pesquisa, pesquisa

Hoje em dia, não há falta de comida e informações sobre viagens, então pesquisar seu destino não poderia ser mais fácil. Além dos sites de viagens habituais, as seções de comida e bebida dos jornais locais, como O jornal New York TimesJantar e Vinho, apresentará os mais recentes restaurantes e tendências gastronômicas. Procure também blogs de comida locais. O chef confeiteiro americano David Lebovitz, que vive em Paris, apresenta restaurantes e restaurantes parisienses em seu blog de mesmo nome, enquanto as joias gastronômicas escondidas de Istambul são exploradas em istanbuleats.com. Lonely Planet & # x27s & # x27Get Stuffed & # x27 branch em Thorn Tree também é um ótimo local para pesquisar as tradições alimentares locais (incluindo receitas em abundância).

2. Chegou às ruas

É difícil superar a comida de rua como uma das formas mais autênticas e vibrantes de vivenciar a agitação local. Experimente bhajis picantes e jalebis doces pegajosos à beira da estrada na Índia, ou perca-se na agitada praça de Marrakech, Djemaa El-Fna, para ver os caracóis tradicionalmente colhidos de suas conchas com alfinetes e espetadas de carne gigantescas. E não vamos esquecer a Tailândia, possivelmente o maior destino de comida de rua do mundo com clássicos como o onipresente pad thai, salada de som tam agridoce e kuaytiaw como uma sopa.

3. Compre com os habitantes locais

Pense em seus próprios hábitos e em como você come e faz compras em casa. Os mercados de frutos do mar e produtos hortifrutigranjeiros costumam estar repletos e vibrar com a vida local nos dias de mercado. Tente pechinchar sobre a pesca de atum matinal no Mercado de Peixe Tsukiji de Tóquio ou brigar com os moradores nas delicatessens históricas de Bolonha no Quadrilátero por tortellini feito na hora e mortadela suculenta. Até mesmo os supermercados podem oferecer dicas sobre as preferências gastronômicas locais, como a incrível variedade de queijos raclette e fondue em uma Swiss Coop City.

4. Pergunte a um local

Os motoristas de táxi geralmente ficam mais do que felizes em compartilhar onde os habitantes locais gostam de sair para jantar nas noites de sexta e sábado - e até mesmo levá-lo de ida e volta. Em vez de orientações para restaurantes próximos, pergunte ao concierge do hotel onde elas iriam jantar com seus amigos. E não tenha vergonha de receber uma recomendação do barman ou esperar a equipe para sua próxima parada no box, enquanto toma um café ou bebe um aperitivo no início da noite.

5. Programe sua visita

Os festivais e celebrações são uma forma divertida e significativa de conhecer a história e a cultura gastronómica local. O Natal é rico em tradição em muitos países, desde o kartoffelpuffer (bolos de batata fritos) e Glühwein (vinho quente) nos mercados de Natal da Alemanha para o Pinnekjott (costela de cordeiro) e Ribbe (costela de porco) em um jantar típico norueguês. O número e a grande variedade de festivais gastronômicos também são infinitos, desde ostras em Galway no final de outubro até a celebração do alho rosa no minúsculo vilarejo de Lautrec, na França, em agosto.

6. Amplie seus horizontes (de viagem)

Aventure-se e explore além das cidades, para as periferias e subúrbios, onde lugares especializados em cozinhas específicas podem ser frequentemente encontrados. Uma curta viagem de ônibus ou trem pode fazer com que você aproveite Kimchi e Bulgogi em Koreatown (New Malden em Londres) ou pizza e massa napolitana em Little Italy (Haberfield em Sydney).

7. Abra seus olhos e siga seu nariz

Pode soar como afirmando o óbvio, mas uma proporção mais alta de moradores contra turistas com câmeras e um menu escrito inteiramente no idioma local continuam a ser bons critérios para determinar se um restaurante é o favorito local. O teste se aplica igualmente se você estiver escolhendo um local para comer na Chinatown local ou no bouchons em Lyon. E por que não seguir seu faro e ir aonde os cheiros da comida o levam, como os moradores locais servindo pizzas de queijo e tomate direto da janela de suas cozinhas em Cuba.


Como comer como um morador local

Uma grande parte da experiência de viagem é conhecer as tradições, história e cultura locais. Felizmente, você pode entrar em contato com os três aspectos de uma identidade nacional apenas comendo.

Seja através do evento altamente estruturado das cerimônias do chá do Japão & # x27s ou dos prazeres simples das barracas de vendedores ambulantes da Malásia & # x27s, provar a culinária country & # x27s da maneira que os próprios locais a apreciam é uma maneira segura de tornar sua viagem ainda mais memorável. Aqui estão algumas dicas para transformá-lo em um locavore:

1. Pesquisa, pesquisa, pesquisa

Hoje em dia, não há falta de comida e informações sobre viagens, então pesquisar seu destino não poderia ser mais fácil. Além dos sites de viagens habituais, as seções de comida e bebida dos jornais locais, como O jornal New York TimesJantar e Vinho, apresentará os mais recentes restaurantes e tendências gastronômicas. Procure também blogs de comida locais. O chef pâtissier americano residente em Paris, David Lebovitz, apresenta restaurantes e restaurantes parisienses em seu blog de mesmo nome, enquanto as joias gastronômicas escondidas de Istambul são exploradas em istanbuleats.com. Lonely Planet & # x27s & # x27Get Stuffed & # x27 branch em Thorn Tree também é um ótimo local para pesquisar as tradições alimentares locais (incluindo receitas em abundância).

2. Chegou às ruas

É difícil superar a comida de rua como uma das formas mais autênticas e vibrantes de vivenciar a agitação local. Experimente bhajis picantes e jalebis doces pegajosos à beira da estrada na Índia, ou perca-se na agitada praça de Marrakech, Djemaa El-Fna, para ver caracóis tradicionalmente colhidos de suas conchas com alfinetes de segurança e espetadas de carne gigantescas. E não podemos esquecer a Tailândia, possivelmente o maior destino de comida de rua do mundo com clássicos como o onipresente pad thai, salada de som tam agridoce e kuaytiaw como uma sopa.

3. Compre com os habitantes locais

Pense em seus próprios hábitos e em como você come e faz compras em casa. Os mercados de frutos do mar e produtos hortifrutigranjeiros costumam estar repletos e vibrar com a vida local nos dias de mercado. Tente pechinchar sobre a captura matinal de atum no Mercado de Peixe de Tsukiji, em Tóquio, ou brigar com os habitantes locais nas delicatessens históricas de Bolonha no Quadrilátero por tortellini feito na hora e mortadela suculenta. Até mesmo os supermercados podem oferecer dicas sobre as preferências gastronômicas locais, como a incrível variedade de queijos raclette e fondue em uma Swiss Coop City.

4. Pergunte a um local

Os motoristas de táxi geralmente ficam mais do que felizes em compartilhar onde os habitantes locais gostam de sair para jantar nas noites de sexta e sábado - e até mesmo levá-lo de ida e volta. Em vez de orientações para restaurantes próximos, pergunte ao concierge do hotel onde elas iriam jantar com seus amigos. E não tenha vergonha de receber uma recomendação do barman ou esperar a equipe para sua próxima parada enquanto medita sobre um café ou bebe um aperitivo no início da noite.

5. Programe sua visita

Os festivais e celebrações são uma forma divertida e significativa de conhecer a história e a cultura gastronómica local. O Natal é rico em tradição em muitos países, desde o kartoffelpuffer (bolos de batata fritos) e Glühwein (vinho quente) nos mercados de Natal da Alemanha para o Pinnekjott (costela de cordeiro) e Ribbe (costela de porco) em um jantar típico norueguês. O número e a grande variedade de festivais gastronômicos também são infinitos, desde ostras em Galway no final de outubro até a celebração do alho rosa no minúsculo vilarejo de Lautrec, na França, em agosto.

6. Amplie seus horizontes (de viagem)

Aventure-se e explore além das cidades, para as periferias e subúrbios, onde lugares especializados em cozinhas específicas podem ser frequentemente encontrados. Uma curta viagem de ônibus ou trem pode fazer com que você aproveite Kimchi e Bulgogi em Koreatown (New Malden em Londres) ou pizza e massa napolitana em Little Italy (Haberfield em Sydney).

7. Abra seus olhos e siga seu nariz

Pode soar como afirmar o óbvio, mas uma proporção mais alta de moradores contra turistas com câmeras e um menu escrito inteiramente no idioma local continuam a ser bons critérios para determinar se um restaurante é o favorito local. O teste se aplica igualmente se você estiver escolhendo um local para comer na Chinatown local ou no bouchons em Lyon. E por que não seguir seu faro e ir aonde os cheiros da comida o levam, como os moradores locais servindo pizzas de queijo e tomate direto da janela de suas cozinhas em Cuba.


Como comer como um morador local

Uma grande parte da experiência de viagem consiste em conhecer as tradições, história e cultura locais. Felizmente, você pode entrar em contato com os três aspectos de uma identidade nacional apenas comendo.

Seja através do evento altamente estruturado das cerimônias do chá do Japão & # x27s ou dos prazeres simples das barracas de vendedores ambulantes da Malásia & # x27s, provar a culinária country & # x27s da maneira que os próprios habitantes locais a apreciam é uma maneira infalível de tornar sua viagem muito mais memorável. Aqui estão algumas dicas para transformá-lo em um locavore:

1. Pesquisa, pesquisa, pesquisa

Não há falta de comida e informações sobre viagens nos dias de hoje, então pesquisar seu destino não poderia ser mais fácil. Além dos sites de viagens usuais, as seções de comida e bebida dos jornais locais, como O jornal New York TimesJantar e Vinho, apresentará os mais recentes restaurantes e tendências gastronômicas. Procure também blogs de comida locais. O chef confeiteiro americano David Lebovitz, que vive em Paris, apresenta restaurantes e restaurantes parisienses em seu blog de mesmo nome, enquanto as joias gastronômicas escondidas de Istambul são exploradas em istanbuleats.com. Lonely Planet & # x27s & # x27Get Stuffed & # x27 branch em Thorn Tree também é um ótimo local para pesquisar as tradições alimentares locais (incluindo receitas em abundância).

2. Chegou às ruas

É difícil superar a comida de rua como uma das formas mais autênticas e vibrantes de vivenciar a agitação local. Experimente bhajis picantes e jalebis doces pegajosos à beira da estrada na Índia, ou perca-se na agitada praça de Marrakech, Djemaa El-Fna, para ver caracóis tradicionalmente colhidos de suas conchas com alfinetes de segurança e espetadas de carne gigantescas. E não vamos esquecer a Tailândia, possivelmente o maior destino de comida de rua do mundo com clássicos como o onipresente pad thai, salada de som tam agridoce e kuaytiaw como uma sopa.

3. Compre com os habitantes locais

Pense em seus próprios hábitos e em como você come e faz compras em casa. Os mercados de frutos do mar e produtos hortifrutigranjeiros costumam estar repletos e vibrar com a vida local nos dias de mercado. Tente pechinchar sobre a captura matinal de atum no Mercado de Peixe de Tsukiji, em Tóquio, ou brigar com os habitantes locais nas delicatessens históricas de Bolonha no Quadrilátero por tortellini feito na hora e mortadela suculenta. Até mesmo os supermercados podem oferecer dicas sobre as preferências gastronômicas locais, como a incrível variedade de queijos raclette e fondue em uma Swiss Coop City.

4. Pergunte a um local

Os motoristas de táxi geralmente ficam mais do que felizes em compartilhar onde os habitantes locais gostam de sair para jantar nas noites de sexta e sábado - e até mesmo levá-lo de ida e volta. Em vez de orientações para restaurantes próximos, pergunte ao concierge do hotel onde elas iriam jantar com seus amigos. E não tenha vergonha de receber uma recomendação do barman ou esperar a equipe para sua próxima parada no box, enquanto toma um café ou bebe um aperitivo no início da noite.

5. Programe sua visita

Os festivais e celebrações são uma forma divertida e significativa de conhecer a história e a cultura gastronómica local. O Natal é rico em tradição em muitos países, desde o kartoffelpuffer (bolos de batata fritos) e Glühwein (vinho quente) nos mercados de Natal da Alemanha para o Pinnekjott (costela de cordeiro) e Ribbe (costela de porco) em um jantar típico norueguês. O número e a grande variedade de festivais gastronômicos também são infinitos, desde ostras em Galway no final de outubro até a celebração do alho rosa no minúsculo vilarejo de Lautrec, na França, em agosto.

6. Amplie seus horizontes (de viagem)

Aventure-se e explore além das cidades, para as periferias e subúrbios, onde lugares especializados em cozinhas específicas podem ser frequentemente encontrados. Uma curta viagem de ônibus ou trem pode levá-lo a curtir Kimchi e Bulgogi em Koreatown (New Malden em Londres) ou pizza e massa napolitana em Little Italy (Haberfield em Sydney).

7. Abra seus olhos e siga seu nariz

Pode soar como afirmando o óbvio, mas uma proporção mais alta de moradores contra turistas com câmeras e um menu escrito inteiramente no idioma local continuam a ser bons critérios para determinar se um restaurante é o favorito local. O teste se aplica igualmente se você estiver escolhendo um local para comer na Chinatown local ou no bouchons em Lyon. E por que não seguir seu faro e ir aonde os cheiros da comida o levam, como os moradores locais servindo pizzas de queijo e tomate direto da janela de suas cozinhas em Cuba.


Como comer como um morador local

Uma grande parte da experiência de viagem consiste em conhecer as tradições, história e cultura locais. Felizmente, você pode entrar em contato com os três aspectos de uma identidade nacional apenas comendo.

Seja através do evento altamente estruturado das cerimônias do chá do Japão & # x27s ou dos prazeres simples das barracas de vendedores ambulantes da Malásia & # x27s, provar a culinária country & # x27s da maneira que os próprios locais a apreciam é uma maneira segura de tornar sua viagem ainda mais memorável. Aqui estão algumas dicas para transformá-lo em um locavore:

1. Pesquisa, pesquisa, pesquisa

Hoje em dia, não há falta de comida e informações sobre viagens, então pesquisar seu destino não poderia ser mais fácil. Além dos sites de viagens habituais, as seções de comida e bebida dos jornais locais, como O jornal New York TimesJantar e Vinho, apresentará os mais recentes restaurantes e tendências gastronômicas. Procure também blogs de comida locais. O chef confeiteiro americano David Lebovitz, que vive em Paris, apresenta restaurantes e restaurantes parisienses em seu blog de mesmo nome, enquanto as joias gastronômicas escondidas de Istambul são exploradas em istanbuleats.com. Lonely Planet & # x27s & # x27Get Stuffed & # x27 branch em Thorn Tree também é um ótimo local para pesquisar as tradições alimentares locais (incluindo receitas em abundância).

2. Chegou às ruas

É difícil superar a comida de rua como uma das formas mais autênticas e vibrantes de vivenciar a agitação local. Experimente bhajis picantes e jalebis doces pegajosos à beira da estrada na Índia, ou perca-se na agitada praça de Marrakech, Djemaa El-Fna, para ver caracóis tradicionalmente colhidos de suas conchas com alfinetes de segurança e espetadas de carne gigantescas. E não podemos esquecer a Tailândia, possivelmente o maior destino de comida de rua do mundo com clássicos como o onipresente pad thai, salada de som tam agridoce e kuaytiaw como uma sopa.

3. Compre com os habitantes locais

Pense em seus próprios hábitos e em como você come e faz compras em casa. Os mercados de frutos do mar e produtos hortifrutigranjeiros costumam estar repletos e vibrar com a vida local nos dias de mercado. Tente pechinchar sobre a captura matinal de atum no Mercado de Peixe de Tsukiji, em Tóquio, ou brigar com os habitantes locais nas delicatessens históricas de Bolonha no Quadrilátero por tortellini feito na hora e mortadela suculenta. Até mesmo os supermercados podem oferecer dicas sobre as preferências gastronômicas locais, como a incrível variedade de queijos raclette e fondue em uma Swiss Coop City.

4. Pergunte a um local

Os motoristas de táxi geralmente ficam mais do que felizes em compartilhar onde os habitantes locais gostam de sair para jantar nas noites de sexta e sábado - e até mesmo levá-lo de ida e volta. Em vez de orientações para restaurantes próximos, pergunte ao concierge do hotel onde elas iriam jantar com seus amigos. E não tenha vergonha de receber uma recomendação do barman ou esperar a equipe para sua próxima parada enquanto medita sobre um café ou bebe um aperitivo no início da noite.

5. Programe sua visita

Os festivais e celebrações são uma forma divertida e significativa de conhecer a história e a cultura gastronómica local. O Natal é rico em tradição em muitos países, desde o kartoffelpuffer (bolos de batata fritos) e Glühwein (vinho quente) nos mercados de Natal da Alemanha para o Pinnekjott (costela de cordeiro) e Ribbe (costela de porco) em um jantar típico norueguês. O número e a grande variedade de festivais gastronômicos também são infinitos, desde ostras em Galway no final de outubro até a celebração do alho rosa no minúsculo vilarejo de Lautrec, na França, em agosto.

6. Amplie seus horizontes (de viagem)

Aventure-se e explore além das cidades, para as periferias e subúrbios, onde lugares especializados em cozinhas específicas podem ser frequentemente encontrados. Uma curta viagem de ônibus ou trem pode fazer com que você aproveite Kimchi e Bulgogi em Koreatown (New Malden em Londres) ou pizza e massa napolitana em Little Italy (Haberfield em Sydney).

7. Abra seus olhos e siga seu nariz

Pode soar como afirmando o óbvio, mas uma proporção mais alta de moradores contra turistas com câmeras e um menu escrito inteiramente no idioma local continuam a ser bons critérios para determinar se um restaurante é o favorito local. O teste se aplica igualmente se você estiver escolhendo um local para comer na Chinatown local ou no bouchons em Lyon. E por que não seguir seu faro e ir aonde os cheiros da comida o levam, como os moradores locais servindo pizzas de queijo e tomate direto da janela de suas cozinhas em Cuba.


Como comer como um morador local

Uma grande parte da experiência de viagem consiste em conhecer as tradições, história e cultura locais. Felizmente, você pode entrar em contato com os três aspectos de uma identidade nacional apenas comendo.

Seja através do evento altamente estruturado das cerimônias do chá do Japão & # x27s ou dos prazeres simples das barracas de vendedores ambulantes da Malásia & # x27s, provar a culinária country & # x27s da maneira que os próprios habitantes locais a apreciam é uma maneira infalível de tornar sua viagem muito mais memorável. Aqui estão algumas dicas para transformá-lo em um locavore:

1. Pesquisa, pesquisa, pesquisa

Hoje em dia, não há falta de comida e informações sobre viagens, então pesquisar seu destino não poderia ser mais fácil. Além dos sites de viagens habituais, as seções de comida e bebida dos jornais locais, como O jornal New York TimesJantar e Vinho, apresentará os mais recentes restaurantes e tendências gastronômicas. Procure também blogs de comida locais. O chef pâtissier americano residente em Paris, David Lebovitz, apresenta restaurantes e restaurantes parisienses em seu blog de mesmo nome, enquanto as joias gastronômicas escondidas de Istambul são exploradas em istanbuleats.com. Lonely Planet & # x27s & # x27Get Stuffed & # x27 branch em Thorn Tree também é um ótimo local para pesquisar as tradições alimentares locais (incluindo receitas em abundância).

2. Chegou às ruas

É difícil superar a comida de rua como uma das formas mais autênticas e vibrantes de vivenciar a agitação local. Experimente bhajis picantes e jalebis doces pegajosos à beira da estrada na Índia, ou perca-se na agitada praça de Marrakech, Djemaa El-Fna, para ver caracóis tradicionalmente colhidos de suas conchas com alfinetes de segurança e espetadas de carne gigantescas. E não podemos esquecer a Tailândia, possivelmente o maior destino de comida de rua do mundo com clássicos como o onipresente pad thai, salada de som tam agridoce e kuaytiaw como uma sopa.

3. Compre com os habitantes locais

Pense em seus próprios hábitos e em como você come e faz compras em casa. Os mercados de frutos do mar e produtos hortifrutigranjeiros costumam estar repletos e vibrar com a vida local nos dias de mercado. Tente pechinchar sobre a pesca de atum matinal no Mercado de Peixe Tsukiji de Tóquio ou brigar com os moradores nas delicatessens históricas de Bolonha no Quadrilátero por tortellini feito na hora e mortadela suculenta. Até mesmo os supermercados podem oferecer dicas sobre as preferências gastronômicas locais, como a incrível variedade de queijos raclette e fondue em uma Swiss Coop City.

4. Pergunte a um local

Os motoristas de táxi geralmente ficam mais do que felizes em compartilhar onde os habitantes locais gostam de sair para jantar nas noites de sexta e sábado - e até mesmo levá-lo de ida e volta. Em vez de orientações para restaurantes próximos, pergunte ao concierge do hotel onde elas iriam jantar com seus amigos. E não tenha vergonha de receber uma recomendação do barman ou esperar a equipe para sua próxima parada no box, enquanto toma um café ou bebe um aperitivo no início da noite.

5. Programe sua visita

Os festivais e celebrações são uma forma divertida e significativa de conhecer a história e a cultura gastronómica local. O Natal é rico em tradição em muitos países, desde o kartoffelpuffer (bolos de batata fritos) e Glühwein (vinho quente) nos mercados de Natal da Alemanha para o Pinnekjott (costela de cordeiro) e Ribbe (costela de porco) em um jantar típico norueguês. O número e a grande variedade de festivais gastronômicos também são infinitos, desde ostras em Galway no final de outubro até a celebração do alho rosa no minúsculo vilarejo de Lautrec, na França, em agosto.

6. Amplie seus horizontes (de viagem)

Aventure-se e explore além das cidades, nas periferias e subúrbios, onde lugares especializados em cozinhas específicas podem ser frequentemente encontrados. Uma curta viagem de ônibus ou trem pode levá-lo a curtir Kimchi e Bulgogi in Koreatown (New Malden in London) or Neapolitan pizza and pasta in Little Italy (Haberfield in Sydney).

7. Open your eyes and follow your nose

It might sound like stating the obvious, but a higher ratio of locals against camera-wielding tourists and a menu written entirely in the local language remain pretty good yardsticks for whether a restaurant is local favourite. The test applies equally whether you're choosing a spot to eat at the local Chinatown or the bouchons in Lyon. And why not follow your nose and go where the food smells take you, such as local residents plying cheese and tomato pizzas straight from their kitchen windows in Cuba.


How to eat like a local

A huge part of the travel experience is getting to know local traditions, history and culture. Happily, you can get in touch with all three aspects of a national identity just by eating.

Whether through the highly structured affair of Japan's tea ceremonies or the simple pleasures of Malaysia's hawker stalls, sampling a country's cuisine in the way the locals themselves enjoy it is a sure-fire way of making your trip that much more memorable. Here are a few tips to turn you into a locavore:

1. Research, research, research

There is no shortage of food and travel information these days so researching your destination couldn’t be easier. In addition to the usual travel websites, the food and drink sections of local newspapers, such as O jornal New York TimesDining and Wine, will feature the latest restaurants and food trends. Also look out for local food blogs. Paris-based American pastry chef, David Lebovitz, features Parisian food haunts and dining tips on his eponymous blog, while the hidden foodie gems of Istanbul are explored in istanbuleats.com. Lonely Planet's 'Get Stuffed' branch on Thorn Tree is also a great spot to research local food traditions (including recipes aplenty).

2. Hit the streets

It’s hard to beat street food as one of the most authentic and vibrant ways to experience the local buzz. Sample spicy bhajis and sticky sweet jalebis by the roadside in India, or lose yourself in Marrakech’s hectic square, Djemaa El-Fna, for snails traditionally picked from their shells with safety pins and gigantic meat kebabs. And let’s not forget Thailand, possibly the world’s greatest street food destination with classics such as the ubiquitous pad thai, sweet and sour som tam salad and soupy kuaytiaw.

3. Shop with the locals

Think about your own habits and how you eat and shop for food at home. Seafood and produce markets are typically teeming and humming with local life on market days. Try haggling over the morning’s tuna catch at Tokyo’s Tsukiji Fish Market or jostling with locals in Bologna’s historic delis in the Quadrilatero for freshly made tortellini and succulent mortadella. Even supermarkets can offer clues as to local dining preferences, like the incredible array of raclette and fondue cheeses at a Swiss Coop City.

4. Ask a local

Taxi drivers are usually more than happy to share where locals like to go out to dinner on Friday and Saturday nights - and even take you there and back. Instead of directions to nearby restaurants, ask the hotel concierge where they would go for a meal with their friends. And don’t be shy in getting a recommendation from the barman or wait staff for your next pit stop whilst brooding over a coffee or nursing an early evening aperitif.

5. Time your visit

Festivals and celebrations are a fun and meaningful way to check out the local history and food culture. Christmas is steeped in tradition in many countries, from the kartoffelpuffer (deep-fried potato cakes) and Glühwein (mulled wine) at Germany’s Christmas markets to the pinnekjott (rack of lamb) and ribbe (pork ribs) at a typical Norwegian dinner. The number and sheer variety of food festivals are also endless, from oysters in Galway in late October to the celebration of all things pink garlic at the tiny village of Lautrec in France in August.

6. Broaden your (travel) horizons

Be adventurous and explore beyond cities into the fringes and suburbia, where places specialising in particular cuisines can often be found. A short bus or train trip can see you enjoying Kimchi e bulgogi in Koreatown (New Malden in London) or Neapolitan pizza and pasta in Little Italy (Haberfield in Sydney).

7. Open your eyes and follow your nose

It might sound like stating the obvious, but a higher ratio of locals against camera-wielding tourists and a menu written entirely in the local language remain pretty good yardsticks for whether a restaurant is local favourite. The test applies equally whether you're choosing a spot to eat at the local Chinatown or the bouchons in Lyon. And why not follow your nose and go where the food smells take you, such as local residents plying cheese and tomato pizzas straight from their kitchen windows in Cuba.


How to eat like a local

A huge part of the travel experience is getting to know local traditions, history and culture. Happily, you can get in touch with all three aspects of a national identity just by eating.

Whether through the highly structured affair of Japan's tea ceremonies or the simple pleasures of Malaysia's hawker stalls, sampling a country's cuisine in the way the locals themselves enjoy it is a sure-fire way of making your trip that much more memorable. Here are a few tips to turn you into a locavore:

1. Research, research, research

There is no shortage of food and travel information these days so researching your destination couldn’t be easier. In addition to the usual travel websites, the food and drink sections of local newspapers, such as O jornal New York TimesDining and Wine, will feature the latest restaurants and food trends. Also look out for local food blogs. Paris-based American pastry chef, David Lebovitz, features Parisian food haunts and dining tips on his eponymous blog, while the hidden foodie gems of Istanbul are explored in istanbuleats.com. Lonely Planet's 'Get Stuffed' branch on Thorn Tree is also a great spot to research local food traditions (including recipes aplenty).

2. Hit the streets

It’s hard to beat street food as one of the most authentic and vibrant ways to experience the local buzz. Sample spicy bhajis and sticky sweet jalebis by the roadside in India, or lose yourself in Marrakech’s hectic square, Djemaa El-Fna, for snails traditionally picked from their shells with safety pins and gigantic meat kebabs. And let’s not forget Thailand, possibly the world’s greatest street food destination with classics such as the ubiquitous pad thai, sweet and sour som tam salad and soupy kuaytiaw.

3. Shop with the locals

Think about your own habits and how you eat and shop for food at home. Seafood and produce markets are typically teeming and humming with local life on market days. Try haggling over the morning’s tuna catch at Tokyo’s Tsukiji Fish Market or jostling with locals in Bologna’s historic delis in the Quadrilatero for freshly made tortellini and succulent mortadella. Even supermarkets can offer clues as to local dining preferences, like the incredible array of raclette and fondue cheeses at a Swiss Coop City.

4. Ask a local

Taxi drivers are usually more than happy to share where locals like to go out to dinner on Friday and Saturday nights - and even take you there and back. Instead of directions to nearby restaurants, ask the hotel concierge where they would go for a meal with their friends. And don’t be shy in getting a recommendation from the barman or wait staff for your next pit stop whilst brooding over a coffee or nursing an early evening aperitif.

5. Time your visit

Festivals and celebrations are a fun and meaningful way to check out the local history and food culture. Christmas is steeped in tradition in many countries, from the kartoffelpuffer (deep-fried potato cakes) and Glühwein (mulled wine) at Germany’s Christmas markets to the pinnekjott (rack of lamb) and ribbe (pork ribs) at a typical Norwegian dinner. The number and sheer variety of food festivals are also endless, from oysters in Galway in late October to the celebration of all things pink garlic at the tiny village of Lautrec in France in August.

6. Broaden your (travel) horizons

Be adventurous and explore beyond cities into the fringes and suburbia, where places specialising in particular cuisines can often be found. A short bus or train trip can see you enjoying Kimchi e bulgogi in Koreatown (New Malden in London) or Neapolitan pizza and pasta in Little Italy (Haberfield in Sydney).

7. Open your eyes and follow your nose

It might sound like stating the obvious, but a higher ratio of locals against camera-wielding tourists and a menu written entirely in the local language remain pretty good yardsticks for whether a restaurant is local favourite. The test applies equally whether you're choosing a spot to eat at the local Chinatown or the bouchons in Lyon. And why not follow your nose and go where the food smells take you, such as local residents plying cheese and tomato pizzas straight from their kitchen windows in Cuba.


How to eat like a local

A huge part of the travel experience is getting to know local traditions, history and culture. Happily, you can get in touch with all three aspects of a national identity just by eating.

Whether through the highly structured affair of Japan's tea ceremonies or the simple pleasures of Malaysia's hawker stalls, sampling a country's cuisine in the way the locals themselves enjoy it is a sure-fire way of making your trip that much more memorable. Here are a few tips to turn you into a locavore:

1. Research, research, research

There is no shortage of food and travel information these days so researching your destination couldn’t be easier. In addition to the usual travel websites, the food and drink sections of local newspapers, such as O jornal New York TimesDining and Wine, will feature the latest restaurants and food trends. Also look out for local food blogs. Paris-based American pastry chef, David Lebovitz, features Parisian food haunts and dining tips on his eponymous blog, while the hidden foodie gems of Istanbul are explored in istanbuleats.com. Lonely Planet's 'Get Stuffed' branch on Thorn Tree is also a great spot to research local food traditions (including recipes aplenty).

2. Hit the streets

It’s hard to beat street food as one of the most authentic and vibrant ways to experience the local buzz. Sample spicy bhajis and sticky sweet jalebis by the roadside in India, or lose yourself in Marrakech’s hectic square, Djemaa El-Fna, for snails traditionally picked from their shells with safety pins and gigantic meat kebabs. And let’s not forget Thailand, possibly the world’s greatest street food destination with classics such as the ubiquitous pad thai, sweet and sour som tam salad and soupy kuaytiaw.

3. Shop with the locals

Think about your own habits and how you eat and shop for food at home. Seafood and produce markets are typically teeming and humming with local life on market days. Try haggling over the morning’s tuna catch at Tokyo’s Tsukiji Fish Market or jostling with locals in Bologna’s historic delis in the Quadrilatero for freshly made tortellini and succulent mortadella. Even supermarkets can offer clues as to local dining preferences, like the incredible array of raclette and fondue cheeses at a Swiss Coop City.

4. Ask a local

Taxi drivers are usually more than happy to share where locals like to go out to dinner on Friday and Saturday nights - and even take you there and back. Instead of directions to nearby restaurants, ask the hotel concierge where they would go for a meal with their friends. And don’t be shy in getting a recommendation from the barman or wait staff for your next pit stop whilst brooding over a coffee or nursing an early evening aperitif.

5. Time your visit

Festivals and celebrations are a fun and meaningful way to check out the local history and food culture. Christmas is steeped in tradition in many countries, from the kartoffelpuffer (deep-fried potato cakes) and Glühwein (mulled wine) at Germany’s Christmas markets to the pinnekjott (rack of lamb) and ribbe (pork ribs) at a typical Norwegian dinner. The number and sheer variety of food festivals are also endless, from oysters in Galway in late October to the celebration of all things pink garlic at the tiny village of Lautrec in France in August.

6. Broaden your (travel) horizons

Be adventurous and explore beyond cities into the fringes and suburbia, where places specialising in particular cuisines can often be found. A short bus or train trip can see you enjoying Kimchi e bulgogi in Koreatown (New Malden in London) or Neapolitan pizza and pasta in Little Italy (Haberfield in Sydney).

7. Open your eyes and follow your nose

It might sound like stating the obvious, but a higher ratio of locals against camera-wielding tourists and a menu written entirely in the local language remain pretty good yardsticks for whether a restaurant is local favourite. The test applies equally whether you're choosing a spot to eat at the local Chinatown or the bouchons in Lyon. And why not follow your nose and go where the food smells take you, such as local residents plying cheese and tomato pizzas straight from their kitchen windows in Cuba.


How to eat like a local

A huge part of the travel experience is getting to know local traditions, history and culture. Happily, you can get in touch with all three aspects of a national identity just by eating.

Whether through the highly structured affair of Japan's tea ceremonies or the simple pleasures of Malaysia's hawker stalls, sampling a country's cuisine in the way the locals themselves enjoy it is a sure-fire way of making your trip that much more memorable. Here are a few tips to turn you into a locavore:

1. Research, research, research

There is no shortage of food and travel information these days so researching your destination couldn’t be easier. In addition to the usual travel websites, the food and drink sections of local newspapers, such as O jornal New York TimesDining and Wine, will feature the latest restaurants and food trends. Also look out for local food blogs. Paris-based American pastry chef, David Lebovitz, features Parisian food haunts and dining tips on his eponymous blog, while the hidden foodie gems of Istanbul are explored in istanbuleats.com. Lonely Planet's 'Get Stuffed' branch on Thorn Tree is also a great spot to research local food traditions (including recipes aplenty).

2. Hit the streets

It’s hard to beat street food as one of the most authentic and vibrant ways to experience the local buzz. Sample spicy bhajis and sticky sweet jalebis by the roadside in India, or lose yourself in Marrakech’s hectic square, Djemaa El-Fna, for snails traditionally picked from their shells with safety pins and gigantic meat kebabs. And let’s not forget Thailand, possibly the world’s greatest street food destination with classics such as the ubiquitous pad thai, sweet and sour som tam salad and soupy kuaytiaw.

3. Shop with the locals

Think about your own habits and how you eat and shop for food at home. Seafood and produce markets are typically teeming and humming with local life on market days. Try haggling over the morning’s tuna catch at Tokyo’s Tsukiji Fish Market or jostling with locals in Bologna’s historic delis in the Quadrilatero for freshly made tortellini and succulent mortadella. Even supermarkets can offer clues as to local dining preferences, like the incredible array of raclette and fondue cheeses at a Swiss Coop City.

4. Ask a local

Taxi drivers are usually more than happy to share where locals like to go out to dinner on Friday and Saturday nights - and even take you there and back. Instead of directions to nearby restaurants, ask the hotel concierge where they would go for a meal with their friends. And don’t be shy in getting a recommendation from the barman or wait staff for your next pit stop whilst brooding over a coffee or nursing an early evening aperitif.

5. Time your visit

Festivals and celebrations are a fun and meaningful way to check out the local history and food culture. Christmas is steeped in tradition in many countries, from the kartoffelpuffer (deep-fried potato cakes) and Glühwein (mulled wine) at Germany’s Christmas markets to the pinnekjott (rack of lamb) and ribbe (pork ribs) at a typical Norwegian dinner. The number and sheer variety of food festivals are also endless, from oysters in Galway in late October to the celebration of all things pink garlic at the tiny village of Lautrec in France in August.

6. Broaden your (travel) horizons

Be adventurous and explore beyond cities into the fringes and suburbia, where places specialising in particular cuisines can often be found. A short bus or train trip can see you enjoying Kimchi e bulgogi in Koreatown (New Malden in London) or Neapolitan pizza and pasta in Little Italy (Haberfield in Sydney).

7. Open your eyes and follow your nose

It might sound like stating the obvious, but a higher ratio of locals against camera-wielding tourists and a menu written entirely in the local language remain pretty good yardsticks for whether a restaurant is local favourite. The test applies equally whether you're choosing a spot to eat at the local Chinatown or the bouchons in Lyon. And why not follow your nose and go where the food smells take you, such as local residents plying cheese and tomato pizzas straight from their kitchen windows in Cuba.


Assista o vídeo: COMO MORAR DE GRAÇA EM QUALQUER LUGAR DO MUNDO (Outubro 2021).