Novas receitas

Pão branco, bagels e outros carboidratos associados ao risco de câncer de pulmão

Pão branco, bagels e outros carboidratos associados ao risco de câncer de pulmão

Primeiro eles vieram para comer fast food, então eles vieram pelo nosso bacon, mas um novo estudo de câncer foi longe demais?

Pão, bagels e outros alimentos ricos em amido com alto índice glicêmico são os alimentos mais recentes a receberem um possível rótulo de carcinógeno. Um novo estudo do MD Anderson Cancer Center em Houston relacionou uma dieta rica em carboidratos como pão branco, bagels e arroz branco, com um aumento de 49% no risco de câncer de pulmão.

Esta não é a primeira vez que alimentos com alto índice glicêmico são associados ao câncer, de acordo com o The Daily Mail, mas é raro que um tipo específico de câncer seja listado como um possível efeito colateral de comer muitos carboidratos simples com alto teor de açúcar, especialmente câncer de pulmão, que é tipicamente associado ao tabagismo.

"Os resultados deste estudo sugerem que, além de manter estilos de vida saudáveis, reduzir o consumo de alimentos e bebidas com alto índice glicêmico pode servir como um meio de diminuir o risco de câncer de pulmão", disse o Dr. Xifeng Wu, que liderou o estudo. em um comunicado.

De acordo com a NBC, os médicos acreditam que os alimentos com alto índice glicêmico, que estimulam o corpo a produzir insulina, afetam o crescimento das células. Uma vez que o câncer é o crescimento incontrolável de células, quando seu corpo produz insulina em excesso, ele pode estar inadvertidamente causando o crescimento de pequenos tumores.

"Os fatores de crescimento semelhantes à insulina têm demonstrado desempenhar um papel crítico na regulação da proliferação e diferenciação celular no câncer e há evidências que sugerem que os IGFs estão elevados em pacientes com câncer de pulmão", disse Wu.

Isso significa que você deve desistir totalmente do seu bagel de domingo de manhã ou parar de comer sushi com arroz? Não há necessidade de entrar em pânico com as manchetes sensacionalistas, mas é algo a se considerar ao fazer mudanças na dieta.


OMG, Bagels não vai te dar câncer. Por favor, aproveite o seu bagel

Os carboidratos são o mais recente alimento reconfortante a ser demonizado na Internet, após a publicação nesta semana de um novo estudo que associa dietas com alto índice glicêmico a um risco aumentado de câncer de pulmão. Alguns meios de comunicação pegaram a notícia e publicaram, um deles chegou a afirmar que rosquinhas podem estar causando câncer de pulmão. (Sério, Gothamist?)

Temos boas notícias: você ainda pode comer seus bagels. Aqui está o porquê.

Mesmo que o estudo seja impecável, o risco absoluto de câncer de pulmão para não fumantes é muito pequeno

O estudo, que foi publicado na revista Cancer Epidemiology, Biomarkers and Prevention, comparou dados populacionais e dietas de 1.900 pessoas com câncer de pulmão e 2.400 indivíduos controle. Os pesquisadores descobriram que as pessoas que consumiam a maior quantidade de alimentos com alto índice glicêmico - pense em carboidratos refinados, como pão branco, batatas e, sim, bagels - tinham 49% mais chances de desenvolver câncer de pulmão do que as pessoas que consumiam a menor quantidade de alimentos com alto índice glicêmico.

Mas aqui está o problema: seu risco de desenvolver câncer de pulmão se você nunca fumou ainda é extremamente baixo.

As estimativas para as taxas de incidência de câncer de pulmão em não fumantes variam, mas para simplificar, calculamos o risco ao longo da vida de desenvolver câncer de pulmão se você nunca fumou em cerca de 2 por cento. (A taxa total de incidentes para fumantes e não fumantes combinados é de 7% para mulheres e 6% para homens, de acordo com a American Cancer Society.)

De acordo com o novo estudo, se você comer muito mais carboidratos refinados do que a população em geral, seu risco poderia aumento, mas atingiria o máximo em cerca de 4,5 por cento - apenas alguns pontos percentuais a mais.

Um pouco menos assustador, certo?

"As associações entre o índice glicêmico e o câncer de pulmão ainda eram relativamente pequenas, especialmente quando pensamos no impacto de outros fatores de risco, como o fumo", autor do estudo Dr. Xifeng Wu, professor de epidemiologia da Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center, disse ao The Huffington Post.

"É fácil perder algumas das nuances do estudo ao transmitir a mensagem geral ao público", disse ela, referindo-se à cobertura de Gothamist.

Mas o estudo não foi perfeito

Além da interpretação exagerada do relatório pela mídia, a American Lung Association questionou o próprio estudo.

"Estudos retrospectivos de caso-controle como este não determinam causalidade", disse a associação em um comunicado fornecido ao The Huffington Post. O grupo também observou que o estudo não controlou diabetes, doenças cardíacas ou hipertensão em seus participantes, e que o auto-relato de ingestão alimentar anterior está sujeito a erros.

O estudo também falhou em controlar a renda ou fatores ambientais, como exposição ao gás radônio, poluição do ar e fumo passivo, todos fatores de risco de câncer de pulmão conhecidos para não fumantes.

Existem também muitos outros fatores de estilo de vida além de desfrutar de bagels que contribuem para o risco de câncer, como estilo de vida sedentário, alto consumo de carne vermelha e processada e falta de frutas e vegetais.

"Todos esses fatores são importantes quando pensamos na prevenção do câncer", disse Wu.

Dito isso, não há nada de errado em procurar fatores de estilo de vida modificáveis ​​que possam ajudar os não fumantes a reduzir seu risco (reconhecidamente mínimo) de desenvolver câncer de pulmão. Alimentos com alto índice glicêmico podem afetar os níveis de glicose e insulina no sangue, e níveis cronicamente elevados de insulina podem influenciar o risco de câncer. É definitivamente algo para se manter em mente!

Comer carboidratos - mesmo em excesso - está longe de ser tão perigoso quanto fumar

Mas antes de nos concentrarmos na comida como um perigo para o câncer de pulmão, talvez queiramos nos concentrar nos quase 17% dos adultos nos Estados Unidos que ainda fumam.

Do jeito que está, 90% dos cânceres de pulmão estão relacionados ao fumo, e homens que fumam um maço de cigarros por dia têm 23 vezes mais probabilidade de morrer de câncer de pulmão do que aqueles que nunca fumaram. O tabagismo é responsável por 30 por cento de todas as mortes por câncer e, mesmo além das doenças, fumar é notoriamente perigoso para a saúde - mata mais americanos do que álcool, acidentes de carro, suicídio, AIDS, homicídio e drogas ilegais combinados, de acordo com o American Cancer Sociedade.

"É importante ter em mente que fumar ainda é o fator de risco mais importante para o câncer", disse Wu.

Resumindo: largue o cigarro. Em vez disso, coma um bagel.

Além disso, vamos parar de difamar carboidratos, que podem fazer parte de uma dieta saudável

Claro, mesmo que os carboidratos refinados provavelmente não causem câncer de pulmão, eles ainda não são os alimentos mais nutritivos que você pode colocar no seu prato. As Diretrizes Dietéticas de 2015 recomendam comer até 180 gramas de grãos por dia, metade dos quais deve vir de grãos inteiros, como aveia integral, arroz integral, quinua e arroz selvagem.

Os benefícios para a saúde de comer grãos inteiros incluem regular o açúcar no sangue, auxiliar na digestão, reduzir a pressão arterial e o colesterol e controlar o ganho de peso. Os grãos integrais também ajudam você a se sentir satisfeito por mais tempo do que os grãos refinados, porque eles demoram mais para serem digeridos.

E, como sempre, é inteligente se deliciar com alimentos não tão bons para você com moderação.

"A principal conclusão deste estudo é que podemos ajudar a reduzir o risco de câncer através do envolvimento em comportamentos saudáveis", disse Wu.

CORREÇÃO: Uma versão anterior deste artigo identificou o Dr. Xifeng Wu como chefe de epidemiologia do MD Anderson Cancer Center da Universidade do Texas. Na verdade, Wu é professor de epidemiologia no MD Anderson.


OMG, Bagels não vai te dar câncer. Por favor, aproveite o seu bagel

Os carboidratos são o mais recente alimento reconfortante a ser demonizado na Internet, após a publicação nesta semana de um novo estudo que associa dietas com alto índice glicêmico a um risco aumentado de câncer de pulmão. Alguns meios de comunicação pegaram a notícia e publicaram, um deles chegou a afirmar que rosquinhas podem estar causando câncer de pulmão. (Sério, Gothamist?)

Temos boas notícias: você ainda pode comer seus bagels. Aqui está o porquê.

Mesmo que o estudo seja impecável, o risco absoluto de câncer de pulmão para não fumantes é muito pequeno

O estudo, que foi publicado na revista Cancer Epidemiology, Biomarkers and Prevention, comparou dados populacionais e dietas de 1.900 pessoas com câncer de pulmão e 2.400 indivíduos controle. Os pesquisadores descobriram que as pessoas que consumiam a maior quantidade de alimentos com alto índice glicêmico - pense em carboidratos refinados, como pão branco, batatas e, sim, bagels - tinham 49% mais chances de desenvolver câncer de pulmão do que as pessoas que consumiam a menor quantidade de alimentos com alto índice glicêmico.

Mas aqui está o problema: seu risco de desenvolver câncer de pulmão se você nunca fumou ainda é extremamente baixo.

As estimativas das taxas de incidência de câncer de pulmão em não fumantes variam, mas para simplificar, calculamos o risco de desenvolver câncer de pulmão ao longo da vida se você nunca fumou em cerca de 2%. (A taxa total de incidentes para fumantes e não fumantes combinados é de 7% para mulheres e 6% para homens, de acordo com a American Cancer Society.)

De acordo com o novo estudo, se você comer muito mais carboidratos refinados do que a população em geral, seu risco poderia aumento, mas atingiria o máximo em cerca de 4,5 por cento - apenas alguns pontos percentuais a mais.

Um pouco menos assustador, certo?

"As associações entre o índice glicêmico e o câncer de pulmão ainda eram relativamente pequenas, especialmente quando pensamos no impacto de outros fatores de risco, como o fumo", autor do estudo Dr. Xifeng Wu, professor de epidemiologia da Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center, disse ao The Huffington Post.

"É fácil perder algumas das nuances do estudo ao transmitir a mensagem geral ao público", disse ela, referindo-se à cobertura de Gothamist.

Mas o estudo não foi perfeito

Além da interpretação exagerada do relatório pela mídia, a American Lung Association questionou o próprio estudo.

"Estudos retrospectivos de caso-controle como este não determinam causalidade", disse a associação em um comunicado fornecido ao The Huffington Post. O grupo também observou que o estudo não controlou diabetes, doenças cardíacas ou hipertensão em seus participantes, e que o auto-relato de ingestão alimentar anterior está sujeito a erros.

O estudo também falhou em controlar a renda ou fatores ambientais, como exposição ao gás radônio, poluição do ar e fumo passivo, todos fatores de risco de câncer de pulmão conhecidos para não fumantes.

Existem também muitos outros fatores de estilo de vida além de desfrutar de bagels que contribuem para o risco de câncer, como estilo de vida sedentário, alto consumo de carne vermelha e processada e falta de frutas e vegetais.

"Todos esses fatores são importantes quando pensamos na prevenção do câncer", disse Wu.

Dito isso, não há nada de errado em procurar fatores de estilo de vida modificáveis ​​que possam ajudar os não fumantes a reduzir seu risco (reconhecidamente mínimo) de desenvolver câncer de pulmão. Alimentos com alto índice glicêmico podem afetar os níveis de glicose e insulina no sangue, e níveis cronicamente elevados de insulina podem influenciar o risco de câncer. É definitivamente algo para se manter em mente!

Comer carboidratos - mesmo em excesso - não é nem de longe tão perigoso quanto fumar

Mas antes de nos concentrarmos na comida como um perigo para o câncer de pulmão, talvez queiramos nos concentrar nos quase 17% dos adultos nos Estados Unidos que ainda fumam.

Do jeito que está, 90% dos cânceres de pulmão estão relacionados ao fumo, e homens que fumam um maço de cigarros por dia têm 23 vezes mais probabilidade de morrer de câncer de pulmão do que aqueles que nunca fumaram. O tabagismo é responsável por 30 por cento de todas as mortes por câncer e, mesmo além das doenças, fumar é notoriamente perigoso para a saúde - mata mais americanos do que álcool, acidentes de carro, suicídio, AIDS, homicídio e drogas ilegais combinados, de acordo com o American Cancer Sociedade.

"É importante ter em mente que fumar ainda é o fator de risco mais importante para o câncer", disse Wu.

Resumindo: largue o cigarro. Em vez disso, coma um bagel.

Além disso, vamos parar de difamar carboidratos, que podem fazer parte de uma dieta saudável

Claro, mesmo que os carboidratos refinados provavelmente não causem câncer de pulmão, eles ainda não são os alimentos mais nutritivos que você pode colocar no seu prato. As Diretrizes Dietéticas de 2015 recomendam comer até 180 gramas de grãos por dia, metade dos quais deve vir de grãos inteiros, como aveia integral, arroz integral, quinua e arroz selvagem.

Os benefícios para a saúde de comer grãos inteiros incluem regular o açúcar no sangue, auxiliar na digestão, reduzir a pressão arterial e o colesterol e controlar o ganho de peso. Os grãos integrais também ajudam você a se sentir satisfeito por mais tempo do que os grãos refinados, porque eles demoram mais para serem digeridos.

E, como sempre, é inteligente se deliciar com alimentos não tão bons para você com moderação.

"A principal conclusão deste estudo é que podemos ajudar a reduzir o risco de câncer através do envolvimento em comportamentos saudáveis", disse Wu.

CORREÇÃO: Uma versão anterior deste artigo identificou o Dr. Xifeng Wu como chefe de epidemiologia do MD Anderson Cancer Center da Universidade do Texas. Na verdade, Wu é professor de epidemiologia no MD Anderson.


OMG, Bagels não vai te dar câncer. Por favor, aproveite o seu bagel

Os carboidratos são o mais recente alimento reconfortante a ser demonizado na Internet, após a publicação nesta semana de um novo estudo ligando dietas com alto índice glicêmico a um risco aumentado de câncer de pulmão. Alguns meios de comunicação pegaram a notícia e publicaram, um deles chegou a afirmar que rosquinhas podem estar causando câncer de pulmão. (Sério, Gothamist?)

Temos boas notícias: você ainda pode comer seus bagels. Aqui está o porquê.

Mesmo que o estudo tenha sido impecável, o risco absoluto de câncer de pulmão para não fumantes é muito pequeno

O estudo, que foi publicado na revista Cancer Epidemiology, Biomarkers and Prevention, comparou dados populacionais e dietas de 1.900 pessoas com câncer de pulmão e 2.400 indivíduos controle. Os pesquisadores descobriram que as pessoas que consumiam a maior quantidade de alimentos com alto índice glicêmico - pense em carboidratos refinados, como pão branco, batatas e, sim, bagels - tinham 49% mais chances de desenvolver câncer de pulmão do que as pessoas que consumiam a menor quantidade de alimentos com alto índice glicêmico.

Mas aqui está o problema: seu risco de desenvolver câncer de pulmão se você nunca fumou ainda é extremamente baixo.

As estimativas para as taxas de incidência de câncer de pulmão em não fumantes variam, mas para simplificar, calculamos o risco ao longo da vida de desenvolver câncer de pulmão se você nunca fumou em cerca de 2 por cento. (A taxa total de incidentes para fumantes e não fumantes combinados é de 7% para mulheres e 6% para homens, de acordo com a American Cancer Society.)

De acordo com o novo estudo, se você comer muito mais carboidratos refinados do que a população em geral, seu risco poderia aumento, mas atingiria o máximo em cerca de 4,5 por cento - apenas alguns pontos percentuais a mais.

Um pouco menos assustador, certo?

"As associações entre o índice glicêmico e o câncer de pulmão ainda eram relativamente pequenas, especialmente quando pensamos no impacto de outros fatores de risco, como o fumo", autor do estudo Dr. Xifeng Wu, professor de epidemiologia da Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center, disse ao The Huffington Post.

"É fácil perder algumas das nuances do estudo ao transmitir a mensagem geral ao público", disse ela, referindo-se à cobertura de Gothamist.

Mas o estudo não foi perfeito

Além da interpretação exagerada da mídia sobre o relatório, a American Lung Association questionou o próprio estudo.

"Estudos retrospectivos de caso-controle como este não determinam causalidade", disse a associação em um comunicado fornecido ao The Huffington Post. O grupo também observou que o estudo não controlou diabetes, doenças cardíacas ou hipertensão em seus participantes, e que o auto-relato de ingestão alimentar anterior está sujeito a erros.

O estudo também falhou em controlar a renda ou fatores ambientais, como exposição ao gás radônio, poluição do ar e fumo passivo, todos fatores de risco de câncer de pulmão conhecidos para não fumantes.

Existem também muitos outros fatores de estilo de vida além de desfrutar de bagels que contribuem para o risco de câncer, como estilo de vida sedentário, alto consumo de carne vermelha e processada e falta de frutas e vegetais.

"Todos esses fatores são importantes quando pensamos na prevenção do câncer", disse Wu.

Dito isso, não há nada de errado em procurar fatores de estilo de vida modificáveis ​​que possam ajudar os não fumantes a reduzir seu risco (reconhecidamente mínimo) de desenvolver câncer de pulmão. Alimentos com alto índice glicêmico podem afetar os níveis de glicose e insulina no sangue, e níveis cronicamente elevados de insulina podem influenciar o risco de câncer. É definitivamente algo para se manter em mente!

Comer carboidratos - mesmo em excesso - está longe de ser tão perigoso quanto fumar

Mas antes de nos concentrarmos na comida como um perigo para o câncer de pulmão, talvez queiramos nos concentrar nos quase 17% dos adultos nos Estados Unidos que ainda fumam.

Do jeito que está, 90% dos cânceres de pulmão estão relacionados ao fumo, e homens que fumam um maço de cigarros por dia têm 23 vezes mais probabilidade de morrer de câncer de pulmão do que aqueles que nunca fumaram. O tabagismo é responsável por 30 por cento de todas as mortes por câncer e, mesmo além das doenças, fumar é notoriamente perigoso para a saúde - mata mais americanos do que álcool, acidentes de carro, suicídio, AIDS, homicídio e drogas ilegais combinados, de acordo com o American Cancer Sociedade.

"É importante ter em mente que fumar ainda é o fator de risco mais importante para o câncer", disse Wu.

Resumindo: largue o cigarro. Em vez disso, coma um bagel.

Além disso, vamos parar de difamar carboidratos, que podem fazer parte de uma dieta saudável

Claro, mesmo que os carboidratos refinados provavelmente não causem câncer de pulmão, eles ainda não são os alimentos mais nutritivos que você pode colocar no seu prato. As Diretrizes Dietéticas de 2015 recomendam comer até 180 gramas de grãos por dia, metade dos quais deve vir de grãos inteiros, como aveia integral, arroz integral, quinua e arroz selvagem.

Os benefícios para a saúde de comer grãos inteiros incluem regular o açúcar no sangue, auxiliar na digestão, reduzir a pressão arterial e o colesterol e controlar o ganho de peso. Os grãos integrais também ajudam você a se sentir satisfeito por mais tempo do que os grãos refinados, porque eles demoram mais para serem digeridos.

E, como sempre, é inteligente se deliciar com alimentos não tão bons para você com moderação.

"A principal conclusão deste estudo é que podemos ajudar a reduzir o risco de câncer através do envolvimento em comportamentos saudáveis", disse Wu.

CORREÇÃO: Uma versão anterior deste artigo identificou o Dr. Xifeng Wu como chefe de epidemiologia do MD Anderson Cancer Center da Universidade do Texas. Na verdade, Wu é professor de epidemiologia no MD Anderson.


OMG, Bagels não vai te dar câncer. Por favor, aproveite o seu bagel

Os carboidratos são o mais recente alimento reconfortante a ser demonizado na Internet, após a publicação nesta semana de um novo estudo ligando dietas com alto índice glicêmico a um risco aumentado de câncer de pulmão. Alguns meios de comunicação pegaram a notícia e publicaram, um deles chegou a afirmar que rosquinhas podem estar causando câncer de pulmão. (Sério, Gothamist?)

Temos boas notícias: você ainda pode comer seus bagels. Aqui está o porquê.

Mesmo que o estudo tenha sido impecável, o risco absoluto de câncer de pulmão para não fumantes é muito pequeno

O estudo, que foi publicado na revista Cancer Epidemiology, Biomarkers and Prevention, comparou dados populacionais e dietas de 1.900 pessoas com câncer de pulmão e 2.400 indivíduos controle. Os pesquisadores descobriram que as pessoas que consumiam a maior quantidade de alimentos com alto índice glicêmico - pense em carboidratos refinados, como pão branco, batatas e, sim, bagels - tinham 49% mais chances de desenvolver câncer de pulmão do que as pessoas que consumiam a menor quantidade de alimentos com alto índice glicêmico.

Mas aqui está o problema: seu risco de desenvolver câncer de pulmão se você nunca fumou ainda é extremamente baixo.

As estimativas para as taxas de incidência de câncer de pulmão em não fumantes variam, mas para simplificar, calculamos o risco ao longo da vida de desenvolver câncer de pulmão se você nunca fumou em cerca de 2 por cento. (A taxa total de incidentes para fumantes e não fumantes combinados é de 7% para mulheres e 6% para homens, de acordo com a American Cancer Society.)

De acordo com o novo estudo, se você comer muito mais carboidratos refinados do que a população em geral, seu risco poderia aumento, mas atingiria o máximo em cerca de 4,5 por cento - apenas alguns pontos percentuais a mais.

Um pouco menos assustador, certo?

"As associações entre o índice glicêmico e o câncer de pulmão ainda eram relativamente pequenas, especialmente quando pensamos no impacto de outros fatores de risco, como o fumo", autor do estudo Dr. Xifeng Wu, professor de epidemiologia da Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center, disse ao The Huffington Post.

"É fácil perder algumas das nuances do estudo ao transmitir a mensagem geral ao público", disse ela, referindo-se à cobertura de Gothamist.

Mas o estudo não foi perfeito

Além da interpretação exagerada da mídia sobre o relatório, a American Lung Association questionou o próprio estudo.

"Estudos retrospectivos de caso-controle como este não determinam causalidade", disse a associação em um comunicado fornecido ao The Huffington Post. O grupo também observou que o estudo não controlou diabetes, doenças cardíacas ou hipertensão em seus participantes, e que o auto-relato de ingestão alimentar anterior está sujeito a erros.

O estudo também falhou em controlar a renda ou fatores ambientais, como exposição ao gás radônio, poluição do ar e fumo passivo, todos fatores de risco de câncer de pulmão conhecidos para não fumantes.

Existem também muitos outros fatores de estilo de vida além de desfrutar de bagels que contribuem para o risco de câncer, como estilo de vida sedentário, alto consumo de carne vermelha e processada e falta de frutas e vegetais.

"Todos esses fatores são importantes quando pensamos na prevenção do câncer", disse Wu.

Dito isso, não há nada de errado em procurar fatores de estilo de vida modificáveis ​​que possam ajudar os não fumantes a reduzir seu risco (reconhecidamente mínimo) de desenvolver câncer de pulmão. Alimentos com alto índice glicêmico podem afetar os níveis de glicose e insulina no sangue, e níveis cronicamente elevados de insulina podem influenciar o risco de câncer. É definitivamente algo para se manter em mente!

Comer carboidratos - mesmo em excesso - está longe de ser tão perigoso quanto fumar

Mas antes de nos concentrarmos na comida como um perigo para o câncer de pulmão, talvez queiramos nos concentrar nos quase 17% dos adultos nos Estados Unidos que ainda fumam.

Do jeito que está, 90% dos cânceres de pulmão estão relacionados ao fumo, e homens que fumam um maço de cigarros por dia têm 23 vezes mais probabilidade de morrer de câncer de pulmão do que aqueles que nunca fumaram. O tabagismo é responsável por 30 por cento de todas as mortes por câncer e, mesmo além das doenças, fumar é notoriamente perigoso para a saúde - mata mais americanos do que álcool, acidentes de carro, suicídio, AIDS, homicídio e drogas ilegais combinados, de acordo com o American Cancer Sociedade.

"É importante ter em mente que fumar ainda é o fator de risco mais importante para o câncer", disse Wu.

Resumindo: largue o cigarro. Em vez disso, coma um bagel.

Além disso, vamos parar de difamar carboidratos, que podem fazer parte de uma dieta saudável

Claro, mesmo que os carboidratos refinados provavelmente não causem câncer de pulmão, eles ainda não são os alimentos mais nutritivos que você pode colocar no seu prato. As Diretrizes Dietéticas de 2015 recomendam comer até 180 gramas de grãos por dia, metade dos quais deve vir de grãos inteiros, como aveia integral, arroz integral, quinua e arroz selvagem.

Os benefícios para a saúde de comer grãos inteiros incluem regular o açúcar no sangue, auxiliar na digestão, reduzir a pressão arterial e o colesterol e controlar o ganho de peso. Os grãos integrais também ajudam você a se sentir satisfeito por mais tempo do que os grãos refinados, porque eles demoram mais para serem digeridos.

E, como sempre, é inteligente se deliciar com alimentos não tão bons para você com moderação.

"A principal conclusão deste estudo é que podemos ajudar a reduzir o risco de câncer através do envolvimento em comportamentos saudáveis", disse Wu.

CORREÇÃO: Uma versão anterior deste artigo identificou o Dr. Xifeng Wu como chefe de epidemiologia do MD Anderson Cancer Center da Universidade do Texas. Na verdade, Wu é professor de epidemiologia no MD Anderson.


OMG, Bagels não vai te dar câncer. Por favor, aproveite o seu bagel

Os carboidratos são o mais recente alimento reconfortante a ser demonizado na Internet, após a publicação nesta semana de um novo estudo ligando dietas com alto índice glicêmico a um risco aumentado de câncer de pulmão. Alguns meios de comunicação pegaram a notícia e publicaram, um deles chegou a afirmar que rosquinhas podem estar causando câncer de pulmão. (Sério, Gothamist?)

Temos boas notícias: você ainda pode comer seus bagels. Aqui está o porquê.

Mesmo que o estudo tenha sido impecável, o risco absoluto de câncer de pulmão para não fumantes é muito pequeno

O estudo, que foi publicado na revista Cancer Epidemiology, Biomarkers and Prevention, comparou dados populacionais e dietas de 1.900 pessoas com câncer de pulmão e 2.400 indivíduos controle. Os pesquisadores descobriram que as pessoas que consumiam a maior quantidade de alimentos com alto índice glicêmico - pense em carboidratos refinados, como pão branco, batatas e, sim, bagels - tinham 49% mais chances de desenvolver câncer de pulmão do que as pessoas que consumiam a menor quantidade de alimentos com alto índice glicêmico.

Mas aqui está o problema: seu risco de desenvolver câncer de pulmão se você nunca fumou ainda é extremamente baixo.

As estimativas para as taxas de incidência de câncer de pulmão em não fumantes variam, mas para simplificar, calculamos o risco ao longo da vida de desenvolver câncer de pulmão se você nunca fumou em cerca de 2 por cento. (A taxa total de incidentes para fumantes e não fumantes combinados é de 7% para mulheres e 6% para homens, de acordo com a American Cancer Society.)

De acordo com o novo estudo, se você comer muito mais carboidratos refinados do que a população em geral, seu risco poderia aumento, mas atingiria o máximo em cerca de 4,5 por cento - apenas alguns pontos percentuais a mais.

Um pouco menos assustador, certo?

"As associações entre o índice glicêmico e o câncer de pulmão ainda eram relativamente pequenas, especialmente quando pensamos no impacto de outros fatores de risco, como o fumo", autor do estudo Dr. Xifeng Wu, professor de epidemiologia da Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center, disse ao The Huffington Post.

"É fácil perder algumas das nuances do estudo ao transmitir a mensagem geral ao público", disse ela, referindo-se à cobertura de Gothamist.

Mas o estudo não foi perfeito

Além da interpretação exagerada da mídia sobre o relatório, a American Lung Association questionou o próprio estudo.

"Estudos retrospectivos de caso-controle como este não determinam causalidade", disse a associação em um comunicado fornecido ao The Huffington Post. O grupo também observou que o estudo não controlou diabetes, doenças cardíacas ou hipertensão em seus participantes, e que o auto-relato de ingestão alimentar anterior está sujeito a erros.

O estudo também falhou em controlar a renda ou fatores ambientais, como exposição ao gás radônio, poluição do ar e fumo passivo, todos fatores de risco de câncer de pulmão conhecidos para não fumantes.

Existem também muitos outros fatores de estilo de vida além de desfrutar de bagels que contribuem para o risco de câncer, como estilo de vida sedentário, alto consumo de carne vermelha e processada e falta de frutas e vegetais.

"Todos esses fatores são importantes quando pensamos na prevenção do câncer", disse Wu.

Dito isso, não há nada de errado em procurar fatores de estilo de vida modificáveis ​​que possam ajudar os não fumantes a reduzir seu risco (reconhecidamente mínimo) de desenvolver câncer de pulmão. Alimentos com alto índice glicêmico podem afetar os níveis de glicose e insulina no sangue, e níveis cronicamente elevados de insulina podem influenciar o risco de câncer. É definitivamente algo para se manter em mente!

Comer carboidratos - mesmo em excesso - está longe de ser tão perigoso quanto fumar

Mas antes de nos concentrarmos na comida como um perigo para o câncer de pulmão, talvez queiramos nos concentrar nos quase 17% dos adultos nos Estados Unidos que ainda fumam.

Do jeito que está, 90% dos cânceres de pulmão estão relacionados ao fumo, e homens que fumam um maço de cigarros por dia têm 23 vezes mais probabilidade de morrer de câncer de pulmão do que aqueles que nunca fumaram. O tabagismo é responsável por 30 por cento de todas as mortes por câncer e, mesmo além das doenças, fumar é notoriamente perigoso para a saúde - mata mais americanos do que álcool, acidentes de carro, suicídio, AIDS, homicídio e drogas ilegais combinados, de acordo com o American Cancer Sociedade.

"É importante ter em mente que fumar ainda é o fator de risco mais importante para o câncer", disse Wu.

Resumindo: largue o cigarro. Em vez disso, coma um bagel.

Além disso, vamos parar de difamar carboidratos, que podem fazer parte de uma dieta saudável

Claro, mesmo que os carboidratos refinados provavelmente não causem câncer de pulmão, eles ainda não são os alimentos mais nutritivos que você pode colocar no seu prato. As Diretrizes Dietéticas de 2015 recomendam comer até 180 gramas de grãos por dia, metade dos quais deve vir de grãos inteiros, como aveia integral, arroz integral, quinua e arroz selvagem.

Os benefícios para a saúde de comer grãos inteiros incluem regular o açúcar no sangue, auxiliar na digestão, reduzir a pressão arterial e o colesterol e controlar o ganho de peso. Os grãos integrais também ajudam você a se sentir satisfeito por mais tempo do que os grãos refinados, porque eles demoram mais para serem digeridos.

E, como sempre, é inteligente se deliciar com alimentos não tão bons para você com moderação.

"A principal conclusão deste estudo é que podemos ajudar a reduzir o risco de câncer através do envolvimento em comportamentos saudáveis", disse Wu.

CORREÇÃO: Uma versão anterior deste artigo identificou o Dr. Xifeng Wu como chefe de epidemiologia do MD Anderson Cancer Center da Universidade do Texas. Na verdade, Wu é professor de epidemiologia no MD Anderson.


OMG, Bagels não vai te dar câncer. Por favor, aproveite o seu bagel

Os carboidratos são o mais recente alimento reconfortante a ser demonizado na Internet, após a publicação nesta semana de um novo estudo ligando dietas com alto índice glicêmico a um risco aumentado de câncer de pulmão. Alguns meios de comunicação pegaram a notícia e publicaram, um deles chegou a afirmar que rosquinhas podem estar causando câncer de pulmão. (Sério, Gothamist?)

Temos boas notícias: você ainda pode comer seus bagels. Aqui está o porquê.

Mesmo que o estudo tenha sido impecável, o risco absoluto de câncer de pulmão para não fumantes é muito pequeno

O estudo, que foi publicado na revista Cancer Epidemiology, Biomarkers and Prevention, comparou dados populacionais e dietas de 1.900 pessoas com câncer de pulmão e 2.400 indivíduos controle. Os pesquisadores descobriram que as pessoas que consumiam a maior quantidade de alimentos com alto índice glicêmico - pense em carboidratos refinados, como pão branco, batatas e, sim, bagels - tinham 49 por cento mais probabilidade de desenvolver câncer de pulmão do que as pessoas que consumiam a menor quantidade de alimentos com alto índice glicêmico.

Mas aqui está o problema: seu risco de desenvolver câncer de pulmão se você nunca fumou ainda é extremamente baixo.

As estimativas das taxas de incidência de câncer de pulmão em não fumantes variam, mas, para simplificar, calculamos o risco de desenvolver câncer de pulmão ao longo da vida se você nunca fumou em cerca de 2%. (A taxa total de incidentes para fumantes e não fumantes combinados é de 7% para mulheres e 6% para homens, de acordo com a American Cancer Society.)

De acordo com o novo estudo, se você comer muito mais carboidratos refinados do que a população em geral, seu risco poderia aumento, mas atingiria o máximo em cerca de 4,5 por cento - apenas alguns pontos percentuais a mais.

Um pouco menos assustador, certo?

"The associations between glycemic index and lung cancer were still relatively small, particularly when we think of the impact of other risk factors such as smoking," study author Dr. Xifeng Wu, professor of epidemiology at the University of Texas MD Anderson Cancer Center, told The Huffington Post.

"It’s easy to lose some of the nuance of the study when conveying the overall message to the public," she said, referring to Gothamist's coverage.

But the study was not flawless

Beyond the overblown media interpretation of the report, the American Lung Association took issue with study itself.

"Retrospective case control studies such as this one don’t determine causality," the association said in a statement provided to The Huffington Post. The group also noted that the study didn't control for diabetes, heart disease or hypertension in its subjects, and that self-reporting of past dietary intake is subject to error.

The study also failed to control for income or environmental factors, such as exposure to radon gas, air pollution and secondhand smoke, all of which are known lung cancer risk factors for non-smokers.

There are also many other lifestyle factors besides enjoying bagels that contribute to your cancer risk, such as a sedentary lifestyle, high consumption of red and processed meat and a lack of fruits and vegetables.

"All these factors are important when we think about cancer prevention," said Wu.

That said, there's nothing wrong with looking for modifiable lifestyle factors that could help nonsmokers lower their (admittedly tiny) risk of developing lung cancer. High-glycemic foods can impact blood glucose and insulin levels, and chronically elevated insulin levels can influence cancer risk. It's definitely something to keep in mind!

Eating carbs -- even in excess -- is nowhere near as dangerous as smoking

But before we focus on food as a danger for lung cancer, we might want to focus on the nearly 17 percent of adults in the United States who still smoke.

As it stands, 90 percent of lung cancers are related to smoking, and men who smoke a pack of cigarettes a day are 23 times more likely to die of lung cancer than those who've never smoked. Cigarette smoking accounts for 30 percent of all cancer deaths, and even beyond disease, smoking is notoriously dangerous to your health -- it kills more Americans than alcohol, car accidents, suicide, AIDs, homicide and illegal drugs combined, according to the American Cancer Society.

"It is important to keep in mind that smoking is still the most important risk factor for cancer," Wu said.

The bottom line: Put down your cigarette. Eat a bagel instead.

Also, let's stop vilifying carbs, which can be part of a healthy diet

Of course, even if refined carbs are unlikely to give you lung cancer, they're still not the most nutritious food you can put on your plate. The 2015 Dietary Guidelines recommend eating up to six ounces of grains each day, half of which should come from whole grains such as whole oats, brown rice, quinoa and wild rice.

The health benefits of eating whole grains include regulating blood sugar, aiding digestion, lowering blood pressure and cholesterol, and controlling weight gain. Whole grains also help you feel full longer than refined grains do because they take longer to digest.

And as always, it's smart to indulge in not-so-good-for-you foods in moderation.

"The key take away from this study is that we can help reduce of risk of cancer by engaging in healthy behaviors," Wu said.

CORRECTION: An earlier version of this article identified Dr. Xifeng Wu as chair of epidemiology at the University of Texas MD Anderson Cancer Center. In fact, Wu is a professor of epidemiology at MD Anderson.


OMG, Bagels Will Not Give You Cancer. Please Enjoy Your Bagel

Carbohydrates are the latest comfort food to be demonized on the Internet, following the publication this week of a new study linking high-glycemic diets to an increased risk of lung cancer. Some media outlets took that news and ran with it, one even going so far as to assert that bagels might be giving you lung cancer. (Really, Gothamist?)

We have good news: You can still eat your bagels. Aqui está o porquê.

Even if the study was flawless, the absolute lung cancer risk for nonsmokers is very small

The study, which was published in the journal Cancer Epidemiology, Biomarkers and Prevention, compared population data and diets from 1,900 people with lung cancer and 2,400 control subjects. The researchers found that people who consumed the greatest amount of high-glycemic foods -- think refined carbs such as white bread, potatoes, and yes, bagels -- were 49 percent more likely to develop lung cancer than the people who consumed the least amount of high-glycemic foods.

But here's the catch: Your risk of getting lung cancer if you've never smoked is still extremely low.

Estimates for lung cancer incidence rates in nonsmokers vary, but for simplicity's sake, we calculated the lifetime risk of developing lung cancer if you've never smoked to be roughly 2 percent. (The total incident rate for smokers and nonsmokers combined is 7 percent for women and 6 percent for men, according to the American Cancer Society.)

According to the new study, if you eat many more refined carbs than the general population, your risk poderia increase, but it would max out at around 4.5 percent -- only a couple of percentage points more.

Slightly less scary, right?

"The associations between glycemic index and lung cancer were still relatively small, particularly when we think of the impact of other risk factors such as smoking," study author Dr. Xifeng Wu, professor of epidemiology at the University of Texas MD Anderson Cancer Center, told The Huffington Post.

"It’s easy to lose some of the nuance of the study when conveying the overall message to the public," she said, referring to Gothamist's coverage.

But the study was not flawless

Beyond the overblown media interpretation of the report, the American Lung Association took issue with study itself.

"Retrospective case control studies such as this one don’t determine causality," the association said in a statement provided to The Huffington Post. The group also noted that the study didn't control for diabetes, heart disease or hypertension in its subjects, and that self-reporting of past dietary intake is subject to error.

The study also failed to control for income or environmental factors, such as exposure to radon gas, air pollution and secondhand smoke, all of which are known lung cancer risk factors for non-smokers.

There are also many other lifestyle factors besides enjoying bagels that contribute to your cancer risk, such as a sedentary lifestyle, high consumption of red and processed meat and a lack of fruits and vegetables.

"All these factors are important when we think about cancer prevention," said Wu.

That said, there's nothing wrong with looking for modifiable lifestyle factors that could help nonsmokers lower their (admittedly tiny) risk of developing lung cancer. High-glycemic foods can impact blood glucose and insulin levels, and chronically elevated insulin levels can influence cancer risk. It's definitely something to keep in mind!

Eating carbs -- even in excess -- is nowhere near as dangerous as smoking

But before we focus on food as a danger for lung cancer, we might want to focus on the nearly 17 percent of adults in the United States who still smoke.

As it stands, 90 percent of lung cancers are related to smoking, and men who smoke a pack of cigarettes a day are 23 times more likely to die of lung cancer than those who've never smoked. Cigarette smoking accounts for 30 percent of all cancer deaths, and even beyond disease, smoking is notoriously dangerous to your health -- it kills more Americans than alcohol, car accidents, suicide, AIDs, homicide and illegal drugs combined, according to the American Cancer Society.

"It is important to keep in mind that smoking is still the most important risk factor for cancer," Wu said.

The bottom line: Put down your cigarette. Eat a bagel instead.

Also, let's stop vilifying carbs, which can be part of a healthy diet

Of course, even if refined carbs are unlikely to give you lung cancer, they're still not the most nutritious food you can put on your plate. The 2015 Dietary Guidelines recommend eating up to six ounces of grains each day, half of which should come from whole grains such as whole oats, brown rice, quinoa and wild rice.

The health benefits of eating whole grains include regulating blood sugar, aiding digestion, lowering blood pressure and cholesterol, and controlling weight gain. Whole grains also help you feel full longer than refined grains do because they take longer to digest.

And as always, it's smart to indulge in not-so-good-for-you foods in moderation.

"The key take away from this study is that we can help reduce of risk of cancer by engaging in healthy behaviors," Wu said.

CORRECTION: An earlier version of this article identified Dr. Xifeng Wu as chair of epidemiology at the University of Texas MD Anderson Cancer Center. In fact, Wu is a professor of epidemiology at MD Anderson.


OMG, Bagels Will Not Give You Cancer. Please Enjoy Your Bagel

Carbohydrates are the latest comfort food to be demonized on the Internet, following the publication this week of a new study linking high-glycemic diets to an increased risk of lung cancer. Some media outlets took that news and ran with it, one even going so far as to assert that bagels might be giving you lung cancer. (Really, Gothamist?)

We have good news: You can still eat your bagels. Aqui está o porquê.

Even if the study was flawless, the absolute lung cancer risk for nonsmokers is very small

The study, which was published in the journal Cancer Epidemiology, Biomarkers and Prevention, compared population data and diets from 1,900 people with lung cancer and 2,400 control subjects. The researchers found that people who consumed the greatest amount of high-glycemic foods -- think refined carbs such as white bread, potatoes, and yes, bagels -- were 49 percent more likely to develop lung cancer than the people who consumed the least amount of high-glycemic foods.

But here's the catch: Your risk of getting lung cancer if you've never smoked is still extremely low.

Estimates for lung cancer incidence rates in nonsmokers vary, but for simplicity's sake, we calculated the lifetime risk of developing lung cancer if you've never smoked to be roughly 2 percent. (The total incident rate for smokers and nonsmokers combined is 7 percent for women and 6 percent for men, according to the American Cancer Society.)

According to the new study, if you eat many more refined carbs than the general population, your risk poderia increase, but it would max out at around 4.5 percent -- only a couple of percentage points more.

Slightly less scary, right?

"The associations between glycemic index and lung cancer were still relatively small, particularly when we think of the impact of other risk factors such as smoking," study author Dr. Xifeng Wu, professor of epidemiology at the University of Texas MD Anderson Cancer Center, told The Huffington Post.

"It’s easy to lose some of the nuance of the study when conveying the overall message to the public," she said, referring to Gothamist's coverage.

But the study was not flawless

Beyond the overblown media interpretation of the report, the American Lung Association took issue with study itself.

"Retrospective case control studies such as this one don’t determine causality," the association said in a statement provided to The Huffington Post. The group also noted that the study didn't control for diabetes, heart disease or hypertension in its subjects, and that self-reporting of past dietary intake is subject to error.

The study also failed to control for income or environmental factors, such as exposure to radon gas, air pollution and secondhand smoke, all of which are known lung cancer risk factors for non-smokers.

There are also many other lifestyle factors besides enjoying bagels that contribute to your cancer risk, such as a sedentary lifestyle, high consumption of red and processed meat and a lack of fruits and vegetables.

"All these factors are important when we think about cancer prevention," said Wu.

That said, there's nothing wrong with looking for modifiable lifestyle factors that could help nonsmokers lower their (admittedly tiny) risk of developing lung cancer. High-glycemic foods can impact blood glucose and insulin levels, and chronically elevated insulin levels can influence cancer risk. It's definitely something to keep in mind!

Eating carbs -- even in excess -- is nowhere near as dangerous as smoking

But before we focus on food as a danger for lung cancer, we might want to focus on the nearly 17 percent of adults in the United States who still smoke.

As it stands, 90 percent of lung cancers are related to smoking, and men who smoke a pack of cigarettes a day are 23 times more likely to die of lung cancer than those who've never smoked. Cigarette smoking accounts for 30 percent of all cancer deaths, and even beyond disease, smoking is notoriously dangerous to your health -- it kills more Americans than alcohol, car accidents, suicide, AIDs, homicide and illegal drugs combined, according to the American Cancer Society.

"It is important to keep in mind that smoking is still the most important risk factor for cancer," Wu said.

The bottom line: Put down your cigarette. Eat a bagel instead.

Also, let's stop vilifying carbs, which can be part of a healthy diet

Of course, even if refined carbs are unlikely to give you lung cancer, they're still not the most nutritious food you can put on your plate. The 2015 Dietary Guidelines recommend eating up to six ounces of grains each day, half of which should come from whole grains such as whole oats, brown rice, quinoa and wild rice.

The health benefits of eating whole grains include regulating blood sugar, aiding digestion, lowering blood pressure and cholesterol, and controlling weight gain. Whole grains also help you feel full longer than refined grains do because they take longer to digest.

And as always, it's smart to indulge in not-so-good-for-you foods in moderation.

"The key take away from this study is that we can help reduce of risk of cancer by engaging in healthy behaviors," Wu said.

CORRECTION: An earlier version of this article identified Dr. Xifeng Wu as chair of epidemiology at the University of Texas MD Anderson Cancer Center. In fact, Wu is a professor of epidemiology at MD Anderson.


OMG, Bagels Will Not Give You Cancer. Please Enjoy Your Bagel

Carbohydrates are the latest comfort food to be demonized on the Internet, following the publication this week of a new study linking high-glycemic diets to an increased risk of lung cancer. Some media outlets took that news and ran with it, one even going so far as to assert that bagels might be giving you lung cancer. (Really, Gothamist?)

We have good news: You can still eat your bagels. Aqui está o porquê.

Even if the study was flawless, the absolute lung cancer risk for nonsmokers is very small

The study, which was published in the journal Cancer Epidemiology, Biomarkers and Prevention, compared population data and diets from 1,900 people with lung cancer and 2,400 control subjects. The researchers found that people who consumed the greatest amount of high-glycemic foods -- think refined carbs such as white bread, potatoes, and yes, bagels -- were 49 percent more likely to develop lung cancer than the people who consumed the least amount of high-glycemic foods.

But here's the catch: Your risk of getting lung cancer if you've never smoked is still extremely low.

Estimates for lung cancer incidence rates in nonsmokers vary, but for simplicity's sake, we calculated the lifetime risk of developing lung cancer if you've never smoked to be roughly 2 percent. (The total incident rate for smokers and nonsmokers combined is 7 percent for women and 6 percent for men, according to the American Cancer Society.)

According to the new study, if you eat many more refined carbs than the general population, your risk poderia increase, but it would max out at around 4.5 percent -- only a couple of percentage points more.

Slightly less scary, right?

"The associations between glycemic index and lung cancer were still relatively small, particularly when we think of the impact of other risk factors such as smoking," study author Dr. Xifeng Wu, professor of epidemiology at the University of Texas MD Anderson Cancer Center, told The Huffington Post.

"It’s easy to lose some of the nuance of the study when conveying the overall message to the public," she said, referring to Gothamist's coverage.

But the study was not flawless

Beyond the overblown media interpretation of the report, the American Lung Association took issue with study itself.

"Retrospective case control studies such as this one don’t determine causality," the association said in a statement provided to The Huffington Post. The group also noted that the study didn't control for diabetes, heart disease or hypertension in its subjects, and that self-reporting of past dietary intake is subject to error.

The study also failed to control for income or environmental factors, such as exposure to radon gas, air pollution and secondhand smoke, all of which are known lung cancer risk factors for non-smokers.

There are also many other lifestyle factors besides enjoying bagels that contribute to your cancer risk, such as a sedentary lifestyle, high consumption of red and processed meat and a lack of fruits and vegetables.

"All these factors are important when we think about cancer prevention," said Wu.

That said, there's nothing wrong with looking for modifiable lifestyle factors that could help nonsmokers lower their (admittedly tiny) risk of developing lung cancer. High-glycemic foods can impact blood glucose and insulin levels, and chronically elevated insulin levels can influence cancer risk. It's definitely something to keep in mind!

Eating carbs -- even in excess -- is nowhere near as dangerous as smoking

But before we focus on food as a danger for lung cancer, we might want to focus on the nearly 17 percent of adults in the United States who still smoke.

As it stands, 90 percent of lung cancers are related to smoking, and men who smoke a pack of cigarettes a day are 23 times more likely to die of lung cancer than those who've never smoked. Cigarette smoking accounts for 30 percent of all cancer deaths, and even beyond disease, smoking is notoriously dangerous to your health -- it kills more Americans than alcohol, car accidents, suicide, AIDs, homicide and illegal drugs combined, according to the American Cancer Society.

"It is important to keep in mind that smoking is still the most important risk factor for cancer," Wu said.

The bottom line: Put down your cigarette. Eat a bagel instead.

Also, let's stop vilifying carbs, which can be part of a healthy diet

Of course, even if refined carbs are unlikely to give you lung cancer, they're still not the most nutritious food you can put on your plate. The 2015 Dietary Guidelines recommend eating up to six ounces of grains each day, half of which should come from whole grains such as whole oats, brown rice, quinoa and wild rice.

The health benefits of eating whole grains include regulating blood sugar, aiding digestion, lowering blood pressure and cholesterol, and controlling weight gain. Whole grains also help you feel full longer than refined grains do because they take longer to digest.

And as always, it's smart to indulge in not-so-good-for-you foods in moderation.

"The key take away from this study is that we can help reduce of risk of cancer by engaging in healthy behaviors," Wu said.

CORRECTION: An earlier version of this article identified Dr. Xifeng Wu as chair of epidemiology at the University of Texas MD Anderson Cancer Center. In fact, Wu is a professor of epidemiology at MD Anderson.


OMG, Bagels Will Not Give You Cancer. Please Enjoy Your Bagel

Carbohydrates are the latest comfort food to be demonized on the Internet, following the publication this week of a new study linking high-glycemic diets to an increased risk of lung cancer. Some media outlets took that news and ran with it, one even going so far as to assert that bagels might be giving you lung cancer. (Really, Gothamist?)

We have good news: You can still eat your bagels. Aqui está o porquê.

Even if the study was flawless, the absolute lung cancer risk for nonsmokers is very small

The study, which was published in the journal Cancer Epidemiology, Biomarkers and Prevention, compared population data and diets from 1,900 people with lung cancer and 2,400 control subjects. The researchers found that people who consumed the greatest amount of high-glycemic foods -- think refined carbs such as white bread, potatoes, and yes, bagels -- were 49 percent more likely to develop lung cancer than the people who consumed the least amount of high-glycemic foods.

But here's the catch: Your risk of getting lung cancer if you've never smoked is still extremely low.

Estimates for lung cancer incidence rates in nonsmokers vary, but for simplicity's sake, we calculated the lifetime risk of developing lung cancer if you've never smoked to be roughly 2 percent. (The total incident rate for smokers and nonsmokers combined is 7 percent for women and 6 percent for men, according to the American Cancer Society.)

According to the new study, if you eat many more refined carbs than the general population, your risk poderia increase, but it would max out at around 4.5 percent -- only a couple of percentage points more.

Slightly less scary, right?

"The associations between glycemic index and lung cancer were still relatively small, particularly when we think of the impact of other risk factors such as smoking," study author Dr. Xifeng Wu, professor of epidemiology at the University of Texas MD Anderson Cancer Center, told The Huffington Post.

"It’s easy to lose some of the nuance of the study when conveying the overall message to the public," she said, referring to Gothamist's coverage.

But the study was not flawless

Beyond the overblown media interpretation of the report, the American Lung Association took issue with study itself.

"Retrospective case control studies such as this one don’t determine causality," the association said in a statement provided to The Huffington Post. The group also noted that the study didn't control for diabetes, heart disease or hypertension in its subjects, and that self-reporting of past dietary intake is subject to error.

The study also failed to control for income or environmental factors, such as exposure to radon gas, air pollution and secondhand smoke, all of which are known lung cancer risk factors for non-smokers.

There are also many other lifestyle factors besides enjoying bagels that contribute to your cancer risk, such as a sedentary lifestyle, high consumption of red and processed meat and a lack of fruits and vegetables.

"All these factors are important when we think about cancer prevention," said Wu.

That said, there's nothing wrong with looking for modifiable lifestyle factors that could help nonsmokers lower their (admittedly tiny) risk of developing lung cancer. High-glycemic foods can impact blood glucose and insulin levels, and chronically elevated insulin levels can influence cancer risk. It's definitely something to keep in mind!

Eating carbs -- even in excess -- is nowhere near as dangerous as smoking

But before we focus on food as a danger for lung cancer, we might want to focus on the nearly 17 percent of adults in the United States who still smoke.

As it stands, 90 percent of lung cancers are related to smoking, and men who smoke a pack of cigarettes a day are 23 times more likely to die of lung cancer than those who've never smoked. Cigarette smoking accounts for 30 percent of all cancer deaths, and even beyond disease, smoking is notoriously dangerous to your health -- it kills more Americans than alcohol, car accidents, suicide, AIDs, homicide and illegal drugs combined, according to the American Cancer Society.

"It is important to keep in mind that smoking is still the most important risk factor for cancer," Wu said.

The bottom line: Put down your cigarette. Eat a bagel instead.

Also, let's stop vilifying carbs, which can be part of a healthy diet

Of course, even if refined carbs are unlikely to give you lung cancer, they're still not the most nutritious food you can put on your plate. The 2015 Dietary Guidelines recommend eating up to six ounces of grains each day, half of which should come from whole grains such as whole oats, brown rice, quinoa and wild rice.

The health benefits of eating whole grains include regulating blood sugar, aiding digestion, lowering blood pressure and cholesterol, and controlling weight gain. Whole grains also help you feel full longer than refined grains do because they take longer to digest.

And as always, it's smart to indulge in not-so-good-for-you foods in moderation.

"The key take away from this study is that we can help reduce of risk of cancer by engaging in healthy behaviors," Wu said.

CORRECTION: An earlier version of this article identified Dr. Xifeng Wu as chair of epidemiology at the University of Texas MD Anderson Cancer Center. In fact, Wu is a professor of epidemiology at MD Anderson.


Assista o vídeo: Sfeerverslag opening Bagels u0026 Beans aGoGo Forum Rotterdam (Outubro 2021).