Novas receitas

Os alimentos "orgânicos" são inúteis? Não em sua vida!

Os alimentos

A Universidade de Stanford acaba de publicar um estudo dizendo que a literatura “carece de evidências fortes” de que os alimentos orgânicos são mais nutritivos do que seus equivalentes convencionais. Alguns de vocês provavelmente estão se culpando por trocar seu filho por aquele precioso tomate orgânico cultivado localmente que você comprou na semana passada na Whole Paycheck, enquanto os fazendeiros convencionais estão fazendo a dança do “Told-You-So”.

Ainda há uma razão para comer produtos orgânicos, apesar do estudo? Sim, existe - e tem tudo a ver com saúde, apesar dos cientistas de Stanford. Apesar das manchetes nos principais jornais, a comida orgânica é melhor para você. E aqui está o porquê:

1. PESTICIDAS De acordo com o estudo, os pesquisadores descobriram que 38% dos alimentos não orgânicos estudados continham resíduos de agrotóxicos. Isso é em comparação com 7% encontrado em produtos orgânicos. Os pesquisadores basicamente desprezaram os efeitos dos pesticidas porque mesmo os níveis mais altos estavam abaixo do que é considerado aceito pela Agência de Proteção Ambiental. Mas o que os pesquisadores não abordaram foram os efeitos potenciais de longo prazo dos pesticidas.

Seu estudo mais longo durou apenas dois anos. A maioria dos cânceres e outras doenças associadas à exposição a pesticidas leva muito mais tempo para se manifestar. E se você tem filhos, deve estar especialmente preocupado, porque os pesticidas afetam as crianças mais adversamente do que os adultos devido ao seu peso corporal inferior, portanto, mesmo a exposição abaixo dos níveis de EPA para adultos pode ser ameaçadora para as crianças. Os pesticidas também causam uma reação em cadeia nos ecossistemas, envenenando toda a cadeia alimentar. E, ao aprender como resistir aos pesticidas, ironicamente, as pragas ficam mais fortes. Em uma versão dos fazendeiros da corrida armamentista nuclear, o uso pesado de pesticidas estimula a resistência aos pesticidas nos organismos, o que, por sua vez, só incentiva o uso mais pesado de pesticidas em outra forma.

2. ANTIBIÓTICOS Embora os pesquisadores tenham reconhecido a exposição aos antibióticos que envolvem carnes e aves não orgânicas como uma razão para se tornarem orgânicos, o que eles não explicaram foram os efeitos que a carne com antibiótico vendida na maioria dos supermercados pode ter sobre as bactérias resistentes aos antibióticos. . Atualmente, 80% de todos os antibióticos usados ​​nos Estados Unidos são para uso em gado. E a maioria desses antibióticos não está curando Elsie, a vaca de sua gripe desagradável: eles são usados ​​para promover o crescimento ou a produção (por exemplo, produção de leite ou carne). Esse uso desenfreado de antibióticos em fazendas e ranchos só aumentou a quantidade de bactérias resistentes aos antibióticos que podem potencialmente infectar todos nós.

De acordo com Relatórios da própria US Food and Drug Administration, as carnes comuns, como peito de frango, peru moído, carne bovina moída e costeletas de porco, tiveram aumentos de 26,6%, 55,3%, 11,5% e 17,5%, respectivamente, em E. coli resistente a três classes de antibióticos. E isso é apenas E. coli; espere até ver os números de Salmonella. Até que o FDA comece a agir sobre a proibição ou redução severa do uso subterapêutico de antibióticos, o único seguro que temos contra a crescente onda de resistência aos antibióticos é o poder do consumidor. Se houver um mercado crescente para carne sem antibióticos, as fazendas perceberão que existe um mercado para ela. Sim, isso significa que você terá que pagar mais por sua carne, mas você quer ver a salmonela se tornar o próximo ebola? Somente por meio da ação coletiva podemos deter esse pesadelo de saúde pública. Depender do vizinho vegano não resolverá o problema.

3. MEIO AMBIENTE Embora haja muitas pessoas que discutem esse ponto, acho que vale a pena reiterar. Os métodos usados ​​na agricultura orgânica protegem a fertilidade do solo. Qualquer agricultor dirá que a chave para o cultivo está no solo. Nenhum solo é igual a nenhuma fazenda. Ao usar práticas de cultivo destrutivas e monocultura, a agricultura convencional não apenas desnuda e corrói os solos das bactérias saudáveis ​​e nutrientes necessários para o cultivo, mas garante que para as próximas gerações eles dependerão de fertilizantes para obter o mesmo rendimento. O escoamento de fertilizantes de fazendas industriais tem sido implicado na poluição que não só envenena a água potável para os residentes, mas também cria “zonas de morte” (ou eutrofização) em corpos d'água. A agricultura orgânica garante que os nutrientes não sejam retirados do solo. E um solo mais saudável significa menos poluição da água, menos erosão e, frequentemente, melhores rendimentos.


Histórias da vida real de mulheres inspiradoras que comem a comida da maneira infantil!

Só para mostrar o quanto pode mudar sua vida comer The Food Babe Way, pensei em compartilhar com vocês alguns dos incríveis e-mails que recebi recentemente. Cada uma dessas mulheres tem histórias inspiradoras para contar sobre a transformação que experimentaram em seus corpos e saúde quando pararam de comer alimentos processados ​​cheios de aditivos e encheram seus pratos com alimentos realmente nutritivos! Conforme você lê suas histórias, eu & # 8217 tenho certeza de que você se reconhecerá em algumas delas & # 8211 eu sei que sim!


O que é & # 8216café-da-manhã & # 8217?

Mas, primeiro, vamos esclarecer o que significa & # 8216café-da-manhã & # 8217. Simplificando, é a primeira refeição do dia, aquela com a qual você quebra seu jejum noturno. Portanto, não importa a que horas você come, se for sua primeira refeição do dia, é chamado de café da manhã.

Dito isso, você pode comer qualquer coisa na primeira refeição do dia. No entanto, quando as pessoas querem ideias para o café da manhã, elas se referem mais ao significado emocional daquela primeira refeição do dia, que geralmente está relacionada a um sabor ou textura familiar, que nos ajuda a recriar uma experiência positiva.

Com isso em mente, decidi preparar um resumo dos cafés da manhã sem lectina mais reconfortantes que você pode tomar quando está seguindo o estilo de vida do paradoxo das plantas. Alimentos sem lectina, se combinados e cozidos de maneira adequada, farão refeições deliciosas e lindas. Tenho seguido o estilo de vida do paradoxo das plantas há quase 4 anos. E todas essas idéias de café da manhã sem lectina são meus cafés da manhã favoritos aprovados pelo paradoxo das plantas.


Limpeza da Primavera estes 6 itens para livrar-se de uma cozinha saudável e um estilo de vida mais saudável

1) Recipientes de plástico para alimentos

Você sabia que um estudo descobriu que uma pessoa ingere em média 5 gramas de plástico por semana? Não de propósito, mas por meio de nossos alimentos, água e até mesmo no ar que respiramos. Esqueça seus recipientes de plástico para alimentos para a opção de vidro mais saudável. A conveniência dos plásticos não compensa os riscos à saúde. O plástico se tornou tão difundido em nossas vidas junto com os riscos de saúde muito comuns dos desreguladores endócrinos que contêm. Os desreguladores endócrinos imitam os hormônios e têm sido associados ao câncer de mama, câncer testicular, infertilidade, obesidade e atrasos no desenvolvimento. Qualquer coisa que atrapalhe seus hormônios naturais é prejudicial ao seu bem-estar geral.

Quando os produtos de plástico quebram com o aquecimento, resfriamento ou com o envelhecimento, esses produtos químicos contaminam sua comida. Limpe-os do armário e nunca aqueça a comida neles, especialmente no micro-ondas. Falando em microondas, esse é o nosso próximo item a abandonar por uma cozinha mais saudável.

2) O micro-ondas sujo

Envie o micro-ondas para o reciclador de eletrônicos e atualize-o para uma torradeira. Você pode se surpreender por não encontrar um micro-ondas em minha casa ou em nossos escritórios. Usamos torradeiras para aquecer nossos almoços e sobras. A comida não só tem um sabor melhor, como também protege alguns dos nutrientes dos seus alimentos favoritos. Se estou comendo brócolis, quero todos os componentes nutricionais que puder obter.

3) Alimentos altamente processados

Portanto, você pode ter começado a comprar alimentos mais saudáveis, mas ainda pode ter muitos alimentos altamente processados ​​na despensa ou nos armários da cozinha. Jogue-os fora se estiverem vencidos ou doe-os se não estiverem. Comprometa-se com seu estilo de vida saudável e livre-se de qualquer tentação de alimentos processados ​​convenientes. Alimentos processados ​​são preenchidos com OGMs, produtos químicos e outros ingredientes inflamatórios. Abra espaço na sua prateleira e na sua vida para opções mais saudáveis.

4) Temperos não saudáveis

Ao atualizar sua geladeira e despensa com alimentos mais saudáveis, não se esqueça do armário de temperos. Você pode se surpreender ao saber que a prateleira de temperos pode conter alguns produtos químicos e açúcar que podem entrar furtivamente em sua dieta. Não há espaço para especiarias tóxicas em uma cozinha saudável.

Se você não trocou seu sal de mesa por sal do mar Céltico ou sal do mar do Himalaia, comece por aí. O sal tem tantos benefícios saudáveis ​​se não tiver os produtos químicos adicionados. Atualize seus temperos mais comuns com os orgânicos, descarte os suspeitos e fique de olho nos rótulos de seus temperos também. Pode haver intensificadores de sabor, cores artificiais, conservantes e outros produtos químicos sintéticos, juntamente com uma quantidade alarmante de açúcar encontrada em muitos temperos.

Não sabote sua dieta saudável com produtos químicos prejudiciais e açúcares adicionados! A melhor maneira de saber o que está em seus temperos é fazer o seu próprio com especiarias orgânicas de qualidade. Encontre alguns dos nossos favoritos em nossa seção de receitas saudáveis ​​para ajudá-lo a começar.

5) Panelas não saudáveis

Também é hora de reciclar aquela panela antiaderente que está toda arranhada em seu armário e substituí-la por panelas mais saudáveis, como cerâmica, aço inoxidável, vidro ou ferro fundido. Cada vez que você usa aquele Teflon riscado, ou outra panela antiaderente, produtos químicos tóxicos estão vazando para a sua comida.

Esses produtos químicos têm sido associados a inflamação, atrasos no desenvolvimento, câncer e uma série de outros riscos potenciais. Confira nossas opções favoritas de utensílios de cozinha mais saudáveis ​​para obter ideias sobre como fazer uma atualização impactante. Você usa seus utensílios de cozinha com frequência para usar utensílios de cozinha tóxicos!

6) Produtos de limpeza tóxicos

Não podemos falar sobre limpeza de primavera sem falar sobre produtos de limpeza tóxicos. Certifique-se de limpar com produtos de limpeza não tóxicos! Muitos produtos de limpeza populares contêm produtos químicos prejudiciais aos seres humanos e ao meio ambiente. Seus produtos de limpeza de primavera não devem ser tóxicos para a sua saúde, mas muitos produtos químicos encontrados em produtos de limpeza comuns estão relacionados à asma, câncer, problemas reprodutivos e a lista continua.

Só porque os produtos químicos prejudiciais não estão listados na garrafa, não significa que eles não estão na sua limpeza diária. Não há exigência do FDA em relação à rotulagem de seus produtos de limpeza. Alguns desses produtos químicos foram proibidos na União Europeia, mas ainda são usados ​​nos Estados Unidos. Descubra mais sobre os produtos químicos em potencial em seus suprimentos e alternativas mais saudáveis ​​para evitá-los em nosso artigo.


100 dias de comida de verdade: você conseguiria?

Quatro anos atrás, a mãe da Carolina do Norte, Lisa Leake, e sua família embarcaram no que parecia um desafio impossível: comer apenas comida & quotreal & quot & # x9D por 100 dias. Muitas refeições e um blog de enorme sucesso depois, Lisa publicou seu primeiro livro de receitas, o best-seller instantâneo 100 dias de comida de verdade: como fizemos, o que aprendemos e 100 receitas fáceis e saudáveis ​​que sua família vai adorar. Recentemente, perguntamos a Lisa sobre o desafio e como o resto de nós pode começar a comer mais comida de verdade.

O que o inspirou a começar seu desafio 100 Dias de Comida Real?Em 2010, recebi o alerta da minha vida quando vi Michael Pollan falar sobre & quot de onde vem nossa comida & quot & # x9D em Oprah. Isso me fez perceber que muitos dos alimentos que eu considerava saudáveis ​​eram, na verdade, altamente processados. Em seguida, fiz uma revisão completa da dieta de minha família e decidi criar uma promessa (e um blog sobre isso) para chamar a atenção para o quão dependentes tantos americanos se tornaram de alimentos processados. Eu pensei que se provássemos que isso poderia ser feito, então outros poderiam seguir o exemplo.

O que exatamente é & quotreal food & quot & # x9D?Criamos um conjunto de regras, que sentimos nos ajuda a definir comida de verdade:

  • Sem farinha branca (ou quaisquer grãos refinados)
  • Sem açúcar (ou adoçantes refinados ou artificiais)
  • Nada fora de uma embalagem com mais de 5 ingredientes
  • Sem carne de criação industrial
  • Nada frito
  • Sem fast food

E seu desafio foi um sucesso! Você não apenas mudou os hábitos alimentares de sua família, mas também lançou o que se tornou uma espécie de missão. Você sempre se interessou por comida e nutrição?

Sempre fui amante de comida e culinária, mas NUNCA de nutrição! Antes de nossa promessa de comida real, eu nunca comprei nada que fosse orgânico (pelo menos não de propósito), nunca li o rótulo de um ingrediente, nunca fiz compras em um mercado de fazendeiros e nunca comi um pedaço inteiro de pão integral (porque eu não gostei do sabor ) Parte do motivo pelo qual eu queria divulgar nossa história é porque senti que se eu pudesse fazer isso, qualquer um poderia fazer!

Quais são as três coisas simples que outras famílias podem fazer para começar a comer mais comida de verdade?Minha primeira sugestão é começar a ler os rótulos dos ingredientes. Essa é a única maneira de saber o que realmente está em sua comida e quão altamente processada ela é. Em segundo lugar, eu recomendaria mudar para produtos 100% integrais. Goste ou não, os grãos constituem a maioria da Dieta Americana Padrão, então esta é uma oportunidade de fazer uma mudança e fazê-la percorrer um longo caminho. Terceiro, eu começaria a oferecer aos seus filhos mais comida de verdade. Como pai, você tem a maior influência na dieta de seu filho e, na maioria das vezes, ele apenas aceitará o que é servido. Portanto, comece a oferecer muitas frutas e vegetais frescos (e de preferência orgânicos), e seus filhos podem surpreendê-lo.

A comida de verdade tem que ser orgânica? A carne orgânica, por exemplo, pode ser muito cara.Orgânico é definitivamente uma escolha melhor porque você sabe que está livre de produtos químicos indesejados. Mas aqui estão algumas dicas para torná-lo mais acessível. Reduza o consumo geral de carne (e até mesmo "estique" a carne moída, misturando-a em uma lata de feijão) para torná-la mais acessível. Faça cortes baratos de carne (como frango inteiro, paleta de porco e peito de boi) com um gosto excelente na sua panela elétrica. Use a lista das dúzias sujas ao decidir quais produtos frescos comprar orgânicos, lembre-se de que vegetais orgânicos congelados são geralmente mais baratos e tão nutritivos quanto os frescos, e não se esqueça de que comer produtos convencionais é muito melhor do que não comer nenhum.

O que você quer dizer com "junk food orgânico"?A indústria alimentícia está, obviamente, decidida a ganhar dinheiro e isso significa capitalizar em muitos jargões & quots saudáveis ​​& quot & # x9D como orgânico, natural, sem glúten, etc. Mas só porque os biscoitos embalados ou sanduíches de sorvete são & quotorgânicos & quot & # x9D não & apostam significa que são bons para a saúde e não são altamente processados.

O que você diria para mães ocupadas que sentem que alimentos embalados são sua única opção para refeições rápidas?Eu diria que cabe a você priorizar o que é importante em sua vida. É um fato que você encontrará e arranjará tempo para qualquer atividade que seja importante o suficiente para você. E mesmo que preparar comida do zero possa levar mais tempo, você pode envolver seus filhos e se sentir bem com o que você está alimentando como resultado. A comida que comemos tem um impacto tão grande em nossa saúde, e fazer mudanças positivas vale mais do que o esforço a longo prazo.

Você pode nos mostrar um dia de amostra do que seus filhos comem?Isso é o que minha filha de 9 anos diz ser um & quot dia na vida & quot & quot & # x9D de suas refeições: cereal de trigo com 1 ingrediente com frutas frescas e leite integral no café da manhã sopa de tomate caseiro com macarrão de trigo integral, um limão de grão integral muffin de framboesa e um sanduíche de maçã para o almoço, salmão teriyaki com macarrão de arroz integral e um veggie verde para o jantar e um pequeno quadrado de chocolate amargo para a sobremesa. Também comemos muitas refeições típicas de família que fazemos do zero com ingredientes de alta qualidade como tacos, espaguete e almôndegas, pizza, macarrão com queijo e até sorvete. Na verdade, versões de comida de verdade de todas essas receitas estão no meu livro de receitas!

Fale-me sobre o seu livro.100 dias de comida de verdade é uma abordagem extremamente realista para este estilo de vida e inclui todos os recursos de que qualquer família ocupada precisa para começar, incluindo como trazer seus familiares relutantes a bordo, um gráfico de embalagem de merenda escolar e fotos, e uma lista de substituições de alimentos reais para que você possa converter suas próprias receitas em casa. O livro também contém 100 receitas fáceis (a maioria novas e não estão no meu blog) que pedem ingredientes simples que você provavelmente já tem em mãos. Acho que é exatamente o que as famílias precisam para começar. É importante lembrar que fazer pequenas mudanças na direção certa é melhor do que nada e não há melhor momento para começar do que agora!

O livro está vendendo muito bem. Por que você acha que a ideia de comida de verdade tocou tanto nas pessoas? Acho que estava no lugar certo na hora certa com meu livro. Mais e mais pessoas estão acordando e percebendo que suas despensas estão repletas de alimentos embalados altamente processados ​​e que existe uma maneira melhor.


5 de 11

Feijão e Lentilhas

Embora não seja uma escolha convencional nos EUA, feijão e lentilha são uma fonte estelar de proteína, ferro, folato, zinco e manganês para toda a família, incluindo bebês. Para tornar o feijão e a lentilha bons para o bebê, deixe-os de molho por algumas horas ou durante a noite, escorra, enxágue e cozinhe até ficar bem macio. As lentilhas vermelhas não precisam de molho porque cozinham muito rápido. Amasse as leguminosas cozidas ou deixe alguma textura para bebês maiores. Adicione feijões ou lentilhas às sopas e ensopados assim que o bebê estiver pronto para os pratos mistos.


A dieta Keto é saudável?

Quando eu estava com 20 e # 8217 anos com sobrepeso, chateado e pronto para mudar minha vida & # 8211, fiz dieta. Na época, eu mal sabia que as dietas não produzem resultados duradouros & # 8211 para meu corpo, minha saúde ou meu estado mental. É por isso que acho importante desmistificar as últimas tendências de dieta para ajudar as pessoas a ver através das mentiras que elas prometem. Uma das maiores tendências no mundo da dieta agora é KETO. Aqui está o que eu & # 8217 descobri para você & # 8230

Qual é a dieta Keto?

A palavra & # 8220keto & # 8221 vem da palavra & # 8220cetose & # 8221 & # 8211, que é um estado metabólico em que seu corpo pode entrar para queimar gordura com eficiência quando você reduz drasticamente a quantidade de carboidratos que consome. Na dieta Keto, é típico que a gordura represente cerca de 70% do que você come. Sua dieta restante com Keto é de cerca de 15-25% de proteínas e 5% de carboidratos. Essas quantidades variam um pouco por pessoa, mas os carboidratos são severamente restritos a menos de 50 gramas por dia (alguns precisam ir de 5 a 15 gramas para chegar à cetose). Para colocar isso em perspectiva, a pessoa média come mais de 200 gramas de carboidratos (de açúcar, grãos, frutas, etc.) por dia. A redução dos carboidratos é semelhante à primeira fase da popular Dieta Atkins na década de 90 & # 8217s.

É comum que as pessoas percam peso significativo com Keto & # 8211, especialmente no início. Depois de alguns dias na dieta Keto, seu corpo entrará em cetose e começará a queimar gordura para obter energia em vez de glicose (carboidratos). Ao segui-lo, você muda drasticamente a forma como seu corpo processa esses nutrientes & # 8211, levando à perda de peso sem desejos por comida e aumento de energia (1). (Pelo menos é o que a maioria das pessoas que fizeram Keto dizem sobre isso.)

Parece ótimo até agora, certo?

Você vai comer muitos alimentos saudáveis ​​no Keto ... como abacate, salmão selvagem, óleo de coco e folhas verdes. Quando o Keto é bem feito, você não comerá alimentos processados ​​e comerá muito mais vegetais do que uma pessoa normal. E você vai parar de comer açúcar. Comer muito açúcar é realmente tóxico para o corpo & # 8211 e, infelizmente, é super fácil exagerar. O açúcar pode estar envolvido em muitos casos de obesidade, diabetes tipo 2, doenças cardíacas e câncer (2). É o link oculto para tanta dor e sofrimento. Portanto, o fato de que a dieta Keto ajuda as pessoas a se livrar do açúcar (uma substância altamente viciante) é INCRÍVEL. No Keto, você normalmente não come carne em todas as refeições, o que é melhor para o planeta.

Além de perder peso, o Keto reduz a inflamação no corpo, pode combater o câncer e pode ser usado para ajudar a controlar o diabetes tipo 2. A dieta Keto tem sido usada para tratar sintomas de epilepsia em crianças há mais de 100 anos (3).

A maneira certa de fazer Keto (e a maneira errada!)

Nem todo mundo no Keto está comendo alimentos saudáveis. A dieta não se concentra na fonte dos ingredientes (orgânicos, alimentados com capim, etc. & # 8230) ou se a comida é nutritiva. Não há problema em comer torresmo e salame de fazenda, por exemplo. Produtos de origem animal orgânicos, alimentados com pasto e não processados ​​são MUITO mais saudáveis ​​do que as versões convencionais, com ácidos graxos ômega-3 mais saudáveis ​​e sem resíduos de antibióticos, hormônios artificiais e outros medicamentos que são administrados à maioria dos animais de fazenda. É especialmente prejudicial à saúde comer carnes processadas como salame com nitratos cancerígenos e outros aditivos de risco como o BHT (4).

Também estão saindo lanches e bebidas Keto embalados, cheios de aditivos processados. Para adoçá-los sem carboidratos, eles costumam usar álcoois de açúcar (eritritol, xilitol) & # 8211 ou, pior ainda, às vezes usam adoçantes artificiais como a sucralose. Os álcoois de açúcar podem ter baixo teor de carboidratos, mas são feitos em laboratório com um processo de fermentação complexo (geralmente de milho OGM) e o consumo pode causar estragos na saúde intestinal e causar problemas gastrointestinais (4). A Sucralose é um adoçante artificial ligado à leucemia e deve ser evitado a todo custo (4).

Você também encontrará aditivos de fibra, como celulose, em muitos desses produtos. Devemos obter nossa fibra naturalmente de frutas, vegetais, feijões, sementes, grãos inteiros e não de aditivos de fibra processada que foram fabricados em um laboratório. A indústria chama isso de “fibras funcionais”, mas elas não funcionam em seu corpo da mesma forma que as fibras dos alimentos reais (5).

O ceto pode ser feito de forma saudável (azeite de oliva, abacate, nozes, laticínios alimentados com capim orgânico) ou prejudicial à saúde (doces “sem açúcar”, queijo convencional, linguiça processada e bacon). É muito mais fácil fazer o último & # 8230, mas a maneira & # 8220 certa & # 8221 de fazer ceto é com alimentos integrais caseiros.

Mesmo se você fizer Keto da maneira saudável, ele tem suas desvantagens & # 8230

Você não pode comer frutas, por exemplo. Talvez um pequeno punhado de frutas vermelhas por dia, mas isso é tudo. Há uma longa lista de alimentos saudáveis ​​que você não tem permissão para comer no Keto se quiser permanecer na cetose, que inclui quase todas as frutas, batata-doce, lentilha, feijão, quinua, arroz integral e aveia. Alguns dizem que você pode comer algumas mordidas de frutas não-Keto, como 1/3 de banana por dia, mas esses alimentos saudáveis ​​são praticamente proibidos da dieta Keto & # 8230

Evitar esses alimentos tem um custo! Você está perdendo todas as vitaminas, minerais e fitonutrientes benéficos abundantes em alguns dos alimentos mais saudáveis ​​do planeta (6), o que pode levar a deficiências de nutrientes ao longo do tempo. Você está diminuindo significativamente a ingestão de fibras, o que é prejudicial para a saúde intestinal. Um intestino saudável é crucial para uma digestão saudável, pele limpa e um sistema imunológico forte (7).

A falta de fibras é uma das razões pelas quais as pessoas que tomam Keto costumam ter prisão de ventre. A outra razão é que seus níveis de eletrólitos estão fora de sintonia ...

Durante o tratamento com Keto, seus rins se tornam mais eficientes na expulsão do excesso de sódio e água. Isso pode deixá-lo desidratado e com prisão de ventre. O mineral potássio comumente também se esgota, o que é essencial para o funcionamento saudável do coração e dos músculos. É por isso que muitas pessoas que tomam o Keto suplementam com suplementos de eletrólitos e bebidas (que às vezes são pesadamente processados ​​com sabores, cores e adoçantes artificiais adicionados).

Keto tem outros efeitos colaterais não tão agradáveis ​​& # 8230

Quase todo mundo experimenta a & # 8220Keto gripe & # 8221 por cerca de uma semana ao iniciar o Keto. Você se sentirá cansado, com dor de cabeça, nauseado, tonto e mal-humorado enquanto seu corpo se acostuma a queimar gordura em vez de carboidratos para obter energia. Isso acontece quando você corta drasticamente o açúcar de sua vida e não é perigoso para uma pessoa saudável & # 8230, mas vai te deixar mal por alguns dias, e algumas pessoas jogam a toalha neste momento porque é muito desconfortável.

Isso pode explicar por que o café às vezes é consumido em excesso no Keto (para compensar a perda de energia que os carboidratos fornecem). Beber muito café torna o corpo ácido e pode levar a problemas para dormir & # 8211, então o tiro pode sair pela culatra.

Keto também pode lhe dar um hálito com um cheiro desagradável. & # 8220Keto Breath & # 8221 acontece porque a acetona é um subproduto da cetose, que é expelida na respiração, tornando seu hálito um cheiro metálico e frutado (8)

As mulheres que tomam Keto podem começar a ter períodos irregulares ou seus períodos podem parar completamente. Este não é um efeito colateral saudável ou seguro e deve ser avaliado por um médico se acontecer com você.

E se você quiser fazer batota em uma dieta Keto? Não tão rápido…

É fácil tirar seu corpo da cetose se você comer muitas mordidas da coisa errada. Ter uma segunda porção de batata-doce no jantar ou muitos mirtilos no seu smoothie pode bastar. Mesmo comer muita carne pode atrasar dias para voltar à cetose. As “guloseimas” de Keto feitas com certos álcoois de açúcar podem fazer com que os níveis de açúcar no sangue aumentem em algumas pessoas (meu pai, que tem diabetes, teve isso). O Keto dificilmente permite qualquer “trapaça” e é realmente rigoroso por este motivo. Depois que a trapaça tira você da cetose, pode levar de 1 a 3 dias para voltar, durante os quais os desejos por carboidratos disparam. Portanto, você deve ser muito diligente e cuidadoso ao contar cada macro para ter certeza de que está comendo a quantidade certa de proteínas, carboidratos e gordura. Se você ocasionalmente gosta de se entregar, Keto não é para você.

Sair de Keto é um pesadelo!

A maioria dos especialistas recomenda não fazer o Keto para sempre (9), então, em algum momento, você vai querer parar & # 8211 e não vai querer ganhar todo o seu peso de volta quando o fizer. Há uma maneira muito específica de sair da cetose, que nem todo mundo conhece & # 8211, como esquecer de reduzir a ingestão de gordura ao adicionar carboidratos novamente. Voltar a comer frutas, aveia e outros carboidratos saudáveis ​​provavelmente levará a ganho de peso depois de restringir carboidratos por um período prolongado, levando a um ciclo interminável de dietas extremas. Se você não tomar cuidado, você fará uma dieta ioiô em pouco tempo.

Se a dieta Keto está funcionando para você, ótimo & # 8230 Mas você realmente acha que pode continuar com ela pelo resto da vida?

Não quero parar de comer laranjas suculentas, maçãs crocantes e batatas-doces salgadas. Parece-me absurdo evitar esses alimentos saudáveis. E quem não gosta de comer biscoitos de chocolate de verdade de vez em quando? Durante as férias, eu não gostaria de uma segunda porção de batata-doce para estragar completamente minha dieta. Quando eu viajo, adoro participar da culinária local ... croissants em Paris e pizza na Itália! Eu também adoro comer comida indiana & # 8211 que é cheia de especiarias medicinais e leite de coco saudável, mas geralmente muito rica em carboidratos para ser considerada Keto. Não consigo imaginar a vida sem dia e dosas!

Minha filosofia quando se trata de alimentação é criar hábitos saudáveis ​​que eu possa manter por toda a vida e levar comigo aonde quer que eu vá. Eu quero que minha dieta seja sustentável dia após dia, não me sentindo culpada se eu comer algo que seja saudável, mas não “do plano”. Em vez de me preocupar com quantos gramas de carboidratos ou gordura algo contém, descobri que é mais fácil escolher alimentos ricos em nutrientes, orgânicos e não processados. Para mim, isso me ajudou a me sentir incrível. Ainda posso desfrutar basicamente de qualquer comida, em qualquer lugar, a qualquer hora & # 8211 Só me certifico de que seja feito com ingredientes saudáveis. Comendo assim, perdi o excesso de peso quando era mais jovem e sou capaz de manter meu peso sem esforço há mais de 10 anos. Perder peso é uma coisa e ficar saudável é outra. Eu quero o melhor dos dois mundos.

Keto pode ser útil para pessoas com certas condições e pode ajudar a quebrar o vício em alimentos processados ​​e açúcar & # 8211, mas eu considero isso extremo para a pessoa média que quer apenas perder alguns quilos. Eu acredito que existem maneiras mais saudáveis, seguras, sustentáveis ​​(e mais agradáveis) de perder peso e mantê-lo fora.

Com o Keto tão popular agora, você vai começar a ver muitos novos petiscos Keto processados, guloseimas, bares, bebidas, etc, nas lojas. Se você decidir ir para o Keto & # 8211, certifique-se de fazer isso da maneira certa com alimentos integrais orgânicos e fique longe de produtos processados ​​cheios de álcoois de açúcar, sabores naturais e carnes e laticínios convencionais.

Se você não está fazendo dieta Keto, provavelmente conhece alguém que está! Compartilhe esta postagem para que eles possam decidir se a dieta Keto é adequada para eles.


Questão de Nutrição 6

R: Perguntar sobre gordura saturada é como perguntar sobre a guerra no Iraque: a resposta que você obtém depende completamente de a quem pergunta.

Já que você me perguntou, eu direi minha opinião, mas tenha certeza de que se você perguntar a uma nutricionista de Stepford Wife, você receberá uma resposta totalmente diferente. Claro, se você fosse do tipo que dá ouvidos a esses idiotas, provavelmente não estaria lendo minha coluna.

Durante anos e anos, a principal acusação contra a gordura saturada é que ela aumenta o colesterol, que por sua vez & # 8220 causa & # 8221 doenças cardíacas. Mas a importância do colesterol como principal fator de risco para doenças cardíacas está começando a ser questionada. E o fato é que a gordura saturada às vezes aumenta o colesterol e às vezes não, e no final das contas pode nem ter importância.

Em 2008, a American Society of Bariatric Physicians em conjunto com a Metabolism Society apresentou uma conferência inteira de dois dias no Arizona, intitulada: & # 8220 Gordura saturada e doença cardíaca: Quais & # 8217s a evidência & # 8221? Eu participei daquela conferência, na qual participaram alguns dos pesquisadores mais espertos que investigaram esse problema, e posso resumir a resposta à pergunta & # 8220O que & # 8217 são as evidências? & # 8221 para você em duas palavras: Não muito.

Na minha opinião, o & # 8220fate & # 8221 da gordura saturada no corpo depende completamente do que mais é comido. Se você estiver ingerindo uma dieta rica em carboidratos, o efeito da gordura saturada pode ser deletério, mas se você estiver fazendo uma dieta baixa em carboidratos, será um jogo totalmente diferente.

& # 8220Se os carboidratos são baixos, a insulina é baixa e a gordura saturada é tratada com mais eficiência & # 8221 disse Jeff Volek, PhD, RD e um dos maiores pesquisadores na área de comparações de dieta. & # 8220Quando os carboidratos estão baixos, você & # 8217 está queimando a gordura saturada como combustível e também está fazendo menos dela. & # 8221

Portanto, coma menos carboidratos e muito menos açúcar, e pode não importar quanta gordura saturada você ingira.

Uma razão pela qual a gordura saturada foi demonizada, em minha opinião, é que grande parte da pesquisa sobre dieta e doenças agrupou a gordura saturada com as gorduras trans. As gorduras trans não eram nem mesmo um problema de saúde até recentemente, e por décadas os pesquisadores não conseguiram distinguir entre as duas ao fazer estudos de padrões de dieta.

Por que isso importa? Porque as gorduras trans feitas pelo homem são realmente a geração de Satanás. They clearly raise the risk for heart disease and stroke, and, according to Harvard professors Walt Willett and Alberto Ascherio, are responsible for 30,000 premature deaths a year.

Another reason saturated fat has such a bad reputation is that much of the saturated fat people consume comes from really crummy sources. Fried foods are not a great way to get fat in your diet. Neither is processed deli meats nor hormone-treated beef. But the saturated fat from healthy animals – like grass-fed beef or lamb – or the saturated fat in organic butter or in egg yolks is a whole different story.

I’ve never seen one convincing piece of evidence that saturated fat from whole food sources like the ones I just mentioned has a single negative impact on heart disease, health, or mortality, especially when it’s part of a diet high in plant foods, antioxidants, fiber and the rest of the good stuff you can eat on a controlled carbohydrate eating plan!

So what’s the verdict? Though there may be certain cases where saturated fat could be a problem – i.e. those with the ApoE4 gene making them more susceptible to Alzheimer’s seem to benefit from avoiding too much saturated fat – for most people a healthy diet of moderate calories that’s low in sugar shouldn’t have any problem with saturated fat from whole food sources.

Of course that won’t stop the diet dictocrats from continuing to tell us how “a low-fat diet prevents heart disease,” but inconvenient facts have never stopped the American Dietetic Association!

Hey, Honey

Q: Some people claim honey is a health food. Is it really good for you or is it just more sugar?

A: Well, there’s two separate questions here:

I’ll take the second one first. From your body’s point of view, honey é sugar, plain and simple.

From the point of view of glycemic impact – how quickly a food makes your blood glucose climb up to the ceiling – it doesn’t much matter if you’re scarfing down turbinado sugar, “Sugar in the Raw,” evaporated cane juice, brown rice syrup, honey, or any of the seventy-gazillion variations on the theme, including, by the way, the latest craze in “healthy” imposters: agave nectar syrup, which has an even worse composition than high-fructose corn syrup!

So, if you’re trying to cut out sugar, honey counts. But the first question – Is it good for you? – is a little more complicated and depends on your definition of “honey.”

If by “honey” you mean the crap you buy in the supermarket that comes in a cute little plastic bottle that looks like a teddy bear, the answer is “not on your life!”

If by “honey” you mean raw, unfiltered, uncooked, unpasteurized organic honey, the answer is “maybe.”

While it’s true that both types of honey will raise your blood sugar about the same, that doesn’t mean they’re nutritionally identical. Raw, unprocessed honey – straight from the comb – has a number of nutrients and enzymes and is an actual whole food, albeit a sweet one. If you don’t have blood sugar issues, raw honey can be used judiciously as a sweetener.

Generally speaking, the harder the honey the better. The strength of the crystallization (hardness) determines the level of live-state nutrients and heat-sensitive enzymes. Some unprocessed honey is even sold with part of the honeycomb in the jar. Real honey also contains flavanones, flavones, and flavonols, known for their antioxidant activity.

Two companies producing unprocessed honey that I like are Really Raw Honey and Tropical Traditions.

But remember, processedhoney, like the squeezy bear kind, is just another highly refined food that’s had all the good stuff boiled out of it leaving nothing more than a sweet tasting golden liquid that’s essentially about as good for you as Frosted Flakes!

Fake “Health” Foods

Q: What’s a food that dedicated gym-goers eat that they shouldn’t eat? In other words, what’s a common “pretend” health food?

A: I thought this was a terrific question to put to my informal panel of experts, and not one of them hesitated to render an opinion, all of them good ones.

Gregg Avedon, one of the world’s most successful fitness models, singled out sports drinks like Gatorade or Powerade. “They’re designed for endurance athletes and pro-athletes who burn crazy calories and deplete muscle glycogen very quickly at a very high level, yet you’ve got the average fitness enthusiast training at a mid- to low-level range drinking these beverages without thinking twice.”

Celebrity nutritionist and exercise physiologist JJ Virgin, PhD, chose energy bars, which are often packed with chemicals and even sometimes trans-fats and high-fructose corn syrup.

Gina Lombardi, host of Discovery Channel’s Fit Nation and author of Deadline Fitness, singled out baked chips. “High in sodium, chemicals, and processed carbs!” she notes.

Top New York group fitness instructor, model, and personal trainer Angie Lee chose fruit juice. “Way too high in calories and sugar,” she observed, “and people have a harder time tracking liquid calories.”

But in my opinion, the Academy Award for health-food imposters goes to the smoothie offerings at Jamba Juice.

Most of them are high-carb, high-calorie, high-glycemic nightmares and will make your blood sugar race to the ceiling faster than a Border Collie on methamphetamine. Example: The banana berry smoothie with 112 grams of carbs and 480 calories.

Don’t be mislead by these fake “fitness” foods!

The Truth About Coffee

Q: Coffee: good or bad? The experts can’t seem to decide!

A: It’s not exactly that we can’t agree on the facts about coffee it’s that reasonable people can draw different conclusions about what the facts mean. It’s much like in every other area of life, from politics to economics, but don’t get me started.

So here are some interesting facts about coffee: Coffee is a big source of antioxidants. In fact, in one test of the antioxidant power of different beverages, coffee scored near the top of the heap, right up there with tea and grapefruit juice. (1)

A 2001 study in the Journal of Agriculture and Food Chemistry found that coffee has significantly more total antioxidant activity than cocoa, green tea, black tea, or herbal tea. And a study published in 2006 concluded that coffee “…may inhibit inflammation and therefore reduce the risk of cardiovascular disease and other inflammatory diseases in postmenopausal women.”

Two of the antioxidants responsible for coffee’s health benefits are cholorogenic acid and caffeic acid. Both are strong antioxidants, and coffee beans are one of the richest dietary sources of chlorogenic acid in the world.

More facts: Caffeine increases exercise tolerance in patients with heart failure. According to the Nurses Health Study, two or three cups a day may lower the incidence of Parkinson’s. It decreases gallstone formation in men, and it may protect against alcoholic liver disease. And let’s not forget the social benefits of coffee: Without coffee dates, what would all those online daters meeting for the first time do anyway?

So is coffee “good” for you? Let’s look at some more facts. Research has shown that even one or two cups of coffee may increase the risk of early miscarriage in normal pregnancy. Three or more cups can seriously increase the symptoms of PMS. And the amount of caffeine in just two or three cups a day can raise both systolic and diastolic blood pressure, at least for an hour or two.

So what’s the conclusion? Many of my friends in the natural health world seem to think caffeine is one of the big bad wolves of the modern diet, claiming – possibly with some validity – that it contributes to adrenal burnout, jitters, decreases the quality of sleep and can seriously raise blood pressure in susceptible people.

While obviously it’s better not to over-stimulate yourself with 19 venti Starbucks a day, I think on balance, coffee is a perfectly acceptable drink with more in the plus column than the minus column.

The slight increase in blood sugar from caffeinated coffee is a boon for athletes who could use that blood sugar to fuel their muscles. That’s one reason why a small amount of coffee before an event is considered a performance enhancer.

One thing though: Coffee is one of the most sprayed crops in the world. If you have the choice, choose organic. But as with most things, the poison is in the dose. If you’re practically mainlining Starbucks to stay awake, it’s probably not such a great thing. If you’re having a few cups a day and it’s not keeping you awake or making your hands shake, I think you’re fine.

Natural Appetite Control

Q: Are there any foods that can help control appetite when dieting?

A: There are two ways I know of to help control appetite naturally. One is to be extra careful about blood sugar fluctuations. The other is to eat high-volume, low-calorie foods.

The enemy of dieting is cravings, and nothing fuels cravings like the blood sugar roller coaster. You know what it feels like: You eat something high in carbs, your blood sugar goes up to the roof, insulin comes along and shuffles all that sugar out of the bloodstream ’till it’s lower than it was when you started, and now you’ll kill someone if you don’t get a bagel.

Interesting how you never get cravings when you eat steak and broccoli, isn’t it?

So choosing really low-glycemic foods is important. I’ve had breakfasts based around beans, and I can tell you I haven’t been hungry for hours. Anything low-glycemic – vegetables, eggs, beans, buffalo burgers – should do the trick.

And make sure there’s enough fat in your meal. It keeps you full longer, a sure-fire way to control your appetite (who wants to eat when you’re full?). Eating really low on the glycemic scale should go a long way towards helping control diet-busting cravings and turbo charged appetites.

High-volume foods are foods that fill up a lot of space for very little calories. These foods usually have a lot of water in them – honeydew melon, canteloupe melon, and, the dean of appetite busting foods – soup. For some reason not fully understood, the combination of the liquid and the food in the typical hearty soup is an appetite killer.

You can get the best of both worlds – low-glycemic and high-volume – by choosing soups made from stock and loaded with vegetables, meat, or beans. Other appetite-busting high-volume foods include pumpkin and guava, both of which are loaded with fiber and will fill you up like nobody’s business.

Finally, there’s no great science to back this up, but green tea sipped throughout the day may help as well. In addition to being thermogenic, there’s some anecdotal evidence that about five cups a day really helps with weight loss.

Grub for Bigger Muscles

Q: What’s your personal favorite high-protein recipe that would be good for a bodybuilder?

A: I asked my friend Gregg Avedon about this one. Gregg has been on the cover of Men’s Health more often than any other fitness model, plus he’s a much better cook than I am. He gave me one of his favorite go-to recipes from his terrific book, Muscle Chow.

Post-Workout Egg Salad Sandwich

  • 6 hard boiled eggs (2 whole and 4 whites) *
  • 1 heaping tablespoon Bookbinder’s Chipotle Mustard (or one similar)
  • 1 serving fish oil
  • Dash of ground black pepper
  • Dash of smoked paprika
  • 2 slices Ezekiel bread
  • 1 small box (1.5-ounce) seedless raisins (for post-workout only)
  1. In a large bowl, combine the eggs, egg whites, and mustard. Using a potato masher, mash into small pieces.
  2. Add the pepper and paprika. Stir until well mixed.
  3. Spoon the egg salad mixture onto one of the slices of Ezekiel, top with the other slice.
  4. Serve with raisins on the side to help boost glycogen-replenishing carbs post-workout.

* Now, in my opinion, you can beef up the protein (and the calories) a bit by using six whole eggs instead of two whole and four whites. Gregg calls this recipe truly “food for dudes” because it’s so damn easy to prepare, but it’s great for women as well.

And if you insist, here’s my own (much less creative) favorite high protein snack:


Ingredients you can trust Healthy fats, natural sweeteners and nothing else. At WholeMe we pride ourselves in using only a handful of ingredients – ingredients you can pronounce. Our products are grain-free, gluten-free, Non-GMO verified and free from many common allergens.

Healthy fats, sustained energy
While many other food companies shy away from fat – and opt for its carbohydrate rival, sugar – we celebrate it. The fat in our products comes from nuts, seeds and organic coconut oil – all of which are a clean source of nutrient-dense energy to fuel your active, on-the-go lifestyle.

Real sweeteners, full-bodied flavor
Our products are free of preservatives, artificial syrups and other nonsense, but are certainly NOT free of flavor. Sweetened with real foods like honey, maple syrup and vanilla, there’s no shame in that extra helping. Our sweeteners work to stabilize blood sugar, providing a longer and steadier source of energy. Just as they should.

Nossa história


Frequently Asked Questions

How do I identify the highest quality dog foods?

High quality and healthy dog foods use wholesome, natural ingredients and are processed to preserve the nutritional content of those ingredients. When considering a new dog food, start by simply reading the first few ingredients listed on the package. These ingredients are a good indicator of overall product quality.

The most important ingredient for dogs is high quality animal protein, so make sure a specified animal protein is listed first on the package, i.e. chicken, turkey, or lamb. Specified meat meal, i.e. chicken or lamb meal, is also quality protein and may be the first or second ingredient.

You should also read the ‘Guaranteed Analysis’ label. All dog food brands are required to list this breakdown of protein, fat, moisture, and fiber content. Dry dog food should offer a minimum of 18% protein for adults and 22% for puppies.

Next, see what sources of fat are used. Look for specifically-named animal fats like chicken fat and salmon oil. Healthy fats and oils such as omega-3 and -6 fatty acids in particular promote a healthy, shiny dog coat. You may see a plant-based fat as well, but make sure it is not the only source of fat.

Lastly, review the dog food’s carbohydrates. Carbohydrates are essential for energy - they are the body’s main source of fuel - and digestion. Look for whole grains like rice, oats, barley, potatoes, sweet potatoes and peas. These are healthy carbohydrates high in fiber. Avoid grain fragments and flours (i.e. rice flour) which lose most of their nutritional value during processing. Ingredients like rice flour and corn gluten are common ingredients in low-quality dog food brands and are used as cheap, incomplete protein sources.

What is the best protein source in dog food?

Animal-based protein is the most important part of a dog’s diet. It is also the most expensive ingredient for dog food brands to source. The dog food you select should have one or two specifically-named meats at the top of the ingredient list (i.e. chicken, beef, turkey, duck).

In many cases, meat or fish meal (i.e. chicken meal lamb meal salmon meal) is used as the first or second source of protein. Meat meal is concentrated protein powder made by overcooking and essentially dehydrating (aka “rendering”) meat. Some forms of meat meal are good sources of protein. These include chicken meal, beef meal, lamb meal, duck meal, and venison meal. Steer clear of “by-product” meals and meals that do not specify which animal or fish it is made from. Examples are “animal meal”, “meat meal”, “animal by-product meal”, “fish meal”, and “meat and bone meal”. These types of meal are often made up of animal waste materials: heads, hooves, bones, etc.

Lower quality dog food makers will skimp on (or completely exclude) high quality animal protein sources and opt for subpar alternatives like “animal digest”, “animal by-products”, “animal fat”, unspecified meat meals, and even corn. Yep, you read that correctly… Many low quality dog food brands use corn and corn gluten meal to fulfill the required ‘protein’ content in their dog food.

Organic vs. Natural: What is the difference?

There’s a lot of confusion when it comes to organic vs. natural dog food. And rightly so! Many dog food brands market themselves as “all natural” or having “100% natural” ingredients. This “natural” dog food must be incredibly healthy, right? Not so fast…

Dog food can only be labeled “organic” if every ingredient meets strict standards enforced by the United States Department of Agriculture (USDA). “Natural”, on the other hand, is a vague term with no true definition enforced by the USDA. The phrases “natural”, “all natural”, and “100% natural ingredients” are widely used by dog food brands to suggest their food is unprocessed and made without artificial ingredients. This, however, is not always the case. What is more, “natural” does not apply to the way meat, eggs, and dairy are produced. In other words, “all natural” meat can come from cows or chickens that were given growth hormones, antibiotics, and forced to live in unsuitable, cramped quarters.

What does “organic” actually mean?

Organic meat, eggs, and dairy products come from animals that are not given antibiotics or growth hormones the animals eat organic feed and must spend time outdoors without enough space to live comfortably. Organic fruits and vegetables are grown without the use of pesticides, synthetic fertilizers, genetically modified organisms (GMOs), and ionized radiation.

Foods cannot be labeled “USDA Organic” unless (1) a government-approved certifier inspects the farm where the food is grown to ensure the farmer is meeting all required standards of the USDA, and (2) the contents of the food are at least 95% organic.

To confuse you further, some dog food brands market themselves with a "Made with Organic ***" label, i.e. “Made with Organic Corn”. This does not mean they are “USDA Organic” but rather contain organic forms of that one ingredient.

So are “natural” dog foods good or bad?

It depends. Some dog food brands that market themselves as “natural” are healthy options for your pet. Many of these dog foods are made with high quality ingredients and strictly avoid the use of preservatives, chemicals, and artificial ingredients. When we talk about "natural" dog foods here in this article, these are the products we are referring to. Unfortunately, there are many low quality dog food brands that market themselves as “natural” without adhering to any standards.

Because the term “natural” has no enforced definition, your best bet is to read the full ingredient list before purchasing any new dog food.

Should I just purchase organic dog food?

Not necessarily! While feeding your dog a 100% organic diet sounds ideal, it’s not always practical. Organic dog foods are often very expensive! Mike and I aim to feed Django an incredibly healthy diet, but we frankly can’t afford to follow the 100% organic route. Rather, we choose the highest quality and healthiest dog food brands we can find. We also frequently supplement Django’s dog food with high quality, human-grade sources of protein like organic egg, wild alaskan canned salmon, and fresh boiled chicken.

What about grain-free dog food? Is grain bad for dogs?

There is a lot of confusion around grain-free dog food. Is grain good for dogs? Bad? Does it cause heart disease? We’re here to set the record straight.

Grain-free dog food has grown in popularity over the past few years. Suddenly pet store shelves are overflowing with “grain-free chicken and egg” and “grain-free beef and lentil” dog food recipes.

Why the sudden surge in grain-free dog food? It started with humans…

These days, a gluten-free diet seems to be the most popular health trend in the United States. Dog food manufacturers saw that humans were increasingly choosing grain-free diets and figured dog owners would want a similar diet for their canine companions. This implies that humans believe (1) dogs are allergic to grains and/or (2) grain is bad for dogs. Neither of these are necessarily true.

Although dogs can have grain allergies, most do not. In fact, domesticated dogs have evolved over the centuries to properly digest grains and other starches like potatoes and rice. This means that the majority of dogs digest and receive nutritional benefits from grains. Assuming your dog does not have a grain allergy and you are already feeding him or her high quality food, there is no proven benefit to giving your dog grain-free food.

What about the recent headlines suggesting there is a link between grain-free dog food and heart disease?

There has recently been an increase in heart disease in dogs, and preliminary studies suggest diet may be a contributing factor. Specifically, it is thought that certain boutique dog food brands with exotic ingredients (i.e. kangaroo, fava bean, tapioca) do not provide proper nutritional levels and are ultimately leading to taurine deficiency in dogs. Taurine is an important amino acid, and a deficiency in taurine promotes heart disease.

What does this mean for you and how you select dog food?

First, refrain from buying dog food just because it looks fancy and claims to be "the best choice" for your pup. Unfortunately any dog food brand can make such unsubstantiated claims. The best approach is to understand what makes a healthy dog food and properly review the dog food's ingredients and nutritional label before pulling out your wallet. The FDA published a great resource on pet food labels.

Second, speak to your veterinarian. Your vet can analyze your dog’s diet and nutrition needs better than anyone. He or she will be able to confirm whether a grain-free diet is the best option for your dog. And if you have any questions about a particular dog food brand or recipe, take a screenshot of the nutritional label and show it to your vet before buying it.

Additional resources

Want to tell us your experience with one of these products? Have a dog food recommendation that we missed? Leave a comment below!


Assista o vídeo: Tips for Growing Vegetables, Harvesting Plants and Joy, Greenery and Organic Foods (Dezembro 2021).